Publicidade

A concessão de um pacote de rodovias gaúchas, que inclui um pequeno trecho da BR-101 Sul em Santa Catarina e prevê uma praça de pedágio em São João do Sul (260 km de Florianópolis – na divisa com RS), está entre os projetos do governo federal prometidos para este ano que terão de ser adiados para 2018. Ao todo são pelo menos 11 empreendimentos do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) afetados, conforme levantamento feito pela reportagem da Agência Estado com fontes da área técnica.

Os adiamentos vão afetar, principalmente, projetos em ferrovias e rodovias, que envolvem investimentos de pelo menos R$ 38 bilhões. Os atrasos não são fruto da crise política, segundo afirmam os técnicos. Eles são provocados por ajustes técnicos nos projetos, motivados por questionamentos dos usuários, do Ministério Público, do Tribunal de Contas da União (TCU) e do próprio mercado.

Publicidade

A opção do governo tem sido gastar um pouco mais de tempo nos preparativos, para assegurar que os projetos cheguem ao mercado com condições de atratividade.

A obra que impacta SC envolve a chamada freeway, a BR-290 entre as cidades gaúchas de Porto Alegre e Osório, cuja concessão venceu recentemente. Em vez de simplesmente leiloá-la de novo, o governo decidiu incluí-la num pacote com trechos de outras três rodovias federais no estado vizinho e em Santa Catarina, formando o que foi chamado de Rodovia de Integração do Sul (RIS).

O conjunto foi submetido a audiência pública e, com as sugestões de usuários, foi modificado. Isso exigiu novos estudos econômicos, o que atrasou o processo, ainda sem data certa para leilão. Os investimentos estimados são de R$ 21 bilhões.

O projeto prevê a instalação de uma praça de pedágio em um trecho da BR-101 em São João do Sul, no Sul catarinense, o que gerou polêmica com a prefeitura do município e outras lideranças da região. Isso porque o pedágio em SC, junto com outras seis praças instaladas em cidades gaúchas, teria a cobrança voltada ao trecho Norte da BR-101 no Rio Grande do Sul.

A chamada Rodovia de Integração do Sul pegaria uma faixa de apenas sete quilômetros da rodovia em Santa Catarina, impactando as cidades catarinenses de Passo de Torres, que fica na divisa dos estados, e São João do Sul, Um motorista que quiser ir de um município ao outro pela BR-101, por exemplo, teria a obrigação de pagar o pedágio. A estimativa de cobrança inicial era de R$ 9,70.

Publicidade