O Centro de Socioeconomia e Planejamento Agrícola da Epagri (Epagri/Cepa) estima diminuição média de até 3% na produtividade da banana em Santa Catarina caso a estiagem persista até outubro. Em algumas microrregiões, essa queda pode chegar a 15%.

Segundo Rogério Goulart Junior, analista de Socioeconomia e Desenvolvimento Rural da Epagri/Cepa, caso a chuva não retorne até o próximo mês o Sul catarinense pode enfrentar entre 7,5% e 15% de diminuição na produtividade média na microrregião de Criciúma, o que pode refletir em até 5% de redução na oferta da fruta na mesorregião. Já para as regiões do Norte e Vale do Itajaí, pode haver entre 5% e 10% de queda na produtividade média, com redução de até 3,5% na oferta normal estimada para as duas mesorregiões no período.

Publicidade

“Para os bananicultores, o problema principal é a redução no volume dos cachos e no calibre e tamanho dos frutos, pois afeta a qualidade da fruta comercializada, o que diminui ainda mais os preços médios pagos ao produtor, que já estão abaixo de R$ 0,40 por quilo”, avalia Rogério. “Mas há expectativa de que os estados produtores do Sudeste e Nordeste, que também estão sofrendo com a estiagem, reduzam a oferta nacional da fruta e, com isso, o preço ao produtor se valorize”, prevê o analista.

Rogério explica que os efeitos da estiagem devem alongar o ciclo de desenvolvimento das frutas nos bananais em mais de um mês, ocasionando a diminuição na densidade da polpa, com perda de calibre e diminuição no tamanho da fruta. A falta de chuva causa ainda produção de cachos menores por planta, afetando a produtividade média, além de dificultar e atrasar os tratos culturais como calagem e adubação. Outro efeito que se pode esperar é o aumento da presença da doença Mal do Panamá, provocado pelas temperaturas altas aliadas ao estresse hídrico que debilita as plantas. O analista da Epagri/Cepa lembra ainda que, nos últimos meses, a região Sul do estado enfrentou muitos ventos fortes, que reduziram em quase 3% o número de plantas nos bananais.

Os dados mais recentes da Epagri/Cepa indicam que, em 2016, existiam em Santa Catarina 3.481 bananicultores, responsáveis por uma produção de 743,2 mil toneladas em 28,7 mil hectares de área colhida. A bananicultura movimenta mais de R$ 519,2 milhões de Valor Bruto da Produção (VBP) e mais de R$1,6 bilhão considerando toda a cadeia produtiva no estado.

O Norte catarinense responde por 50% da produção e 44% do VBP do setor, uma participação que se mantém constante. No Vale do Itajaí, estão 39% da produção de banana, com 33% do VBP, mas, nas últimas safras, houve aumento na representatividade da produção. O Sul representa 10% da quantidade produzida no estado e 21% do valor bruto gerado. Nas últimas safras, houve aumento do VBP no Sul, devido à valorização no preço da banana-prata.

Publicidade