O governador Raimundo Colombo, acompanhado de equipe técnica do Departamento de Infraestrutura do Estado (Deinfra), participou de audiência com o presidente do ICMBio, Ricardo Soavinski, nesta quinta-feira, 24, em Brasília, para tratar de ajustes no traçado da obra do novo acesso ao Sul da Ilha de Santa Catarina.

O pedido do governo estadual é para rever o traçado do contorno viário que faz parte de um dos lotes do complexo de obras. “O traçado original tem um custo muito mais alto com desapropriações, um valor de cerca de R$ 100 milhões teria que ser aplicado. Nossa proposta é mudar apenas um trecho específico, garantindo uma importante economia e sem alterações significativas em relação à proximidades da área de mangue”, explicou Colombo. No lugar de passar por áreas ocupadas por residências, o traçado proposto margearia o mangue, o que no entendimento do Deinfra funcionaria também como uma delimitação para evitar invasões na área de vegetação.

O presidente do ICMBio reconheceu a importância da obra e prometeu celeridade na análise do pedido. Ele explicou que, em caso de necessidade de um novo processo de licenciamento, poderiam ser aproveitados parte dos estudos já realizados na região.

A obra integra a duplicação do acesso ao Sul da Ilha, que beneficia a comunidade local e diretamente os usuários do Aeroporto Internacional Hercílio Luz. As diferentes obras estão sendo executadas pelo governo catarinense por lotes, já em andamentos. O primeiro compreende duplicação de trecho de 3,55 quilômetros no Bairro Carianos, entre o trevo da Seta e o Estádio da Ressacada. O segundo lote abrange a duplicação de trecho de 6,48 quilômetros, entre o acesso à SC-405 e o terminal do aeroporto. Estão em andamento, ainda, trabalhos complementares. O contorno viário complementaria o complexo.

Recursos para a saúde

O governador Colombo e o secretário de Estado da Saúde, Vicente Caropreso, também participaram de audiência no Ministério da Saúde, sendo recebidos pelo ministro substituto Antônio Carlos Nardi. “Tratamos da liberação de recursos pendentes para procedimentos que já estão em andamento pelo Governo do Estado. E do credenciamento de novas UTIs de unidades hospitalares, como a de Caçador e de Videira”, explicou Colombo. Os pedidos serão avaliados nos próximos dias.

Pela manhã, a comitiva catarinense também participou de audiência com o presidente da Caixa Econômica Federal, Gilberto Magalhães Occhi, para tratar de finaciamentos para hospitais filantrópicos do Estado, que passam por dificuldades financeiras. As propostas serão avaliadas pelas equipes do banco federal.

Também acompanharam as audiências em Brasília, entre outras lideranças políticas de Santa Catarina, o secretário executivo de Articulação Nacional, Acélio Casagrande, e a secretária adjunta Lourdes Martini.