Publicidade
Luiz Renato Ramos Petry

O crescimento no numero de clientes endividados preocupa o varejo. Segundo especialistas lojistas devem se pautar em informação para realizar vendas mais saudáveis. Calcula-se que atualmente, há cerca de 60 milhões de pessoas em situação de inadimplência no país. A estimativa é do indicador Serasa Experian de inadimplência do consumidor.

Projeção que vai ao encontro dos levantamentos do Serviço de Proteção ao crédito (SPC Brasil) e da confederação Nacional de Lojistas (CNDL). Somente no mês de junho em comparação a maio houve um aumento de 2.3% na quantidade de inadimplentes, maior variação desde maio de 2015, ocasião em que o indicador da CNDL alcançou a taxa de 3.3%. Isto é a população adulta, mais da metade (52%) encontrasse com débitos em atraso. Quanto à distribuição geográfica (Sudeste (25,1 milhões) e Nordeste (15,5 milhões) concentraram a maior parte dos inadimplentes do país). Este cenário preocupa e impacta diretamente o comercio varejista, que fica submetido a uma linha tênue entre precisar vender e, ao mesmo tempo precisa receber. Em um período de dificuldades como este, naturalmente, a inadimplência cresce. Isso porque as taxas de juros sobem, os orçamentos familiares ficam mais comprometidos e também por conta do desemprego. A solução para o comercio fazer vendas mais saudáveis e reduzir a probabilidade de clientes inadimplentes se apoiando em informações a cerca do consumidor. Não obstante, a crise econômica que afeta as famílias, soma-se ao problema da inadimplência a falta de hábito de administrar adequadamente as finanças pessoais que a maioria das pessoas tem.

Publicidade

Fator cultural, que combinado à possibilidade de compra parcelada facilmente. A compra parcelada, que não existe na maioria dos países, é uma grande aliada na compra de bens duráveis. Se houvesse apenas a opção de compra a vista, mobiliar uma casa levaria anos, até que o consumidor juntasse o valor para adquirir cada item. Mas ao mesmo tempo o parcelamento é um grande vilão para aqueles que não têm o hábito de colocar na ponta do lápis todas as suas despesas mensais.

Vejam aonde chegamos? Fonte SPC- Brasil

       Faixa etária       Porcentagem         Quantidade
        18 a 24 anos             19%         4,4 milhões
         20 a 29 anos            47%          8 milhões
        30 a 39 anos            51%        17,3 milhões
        40 a 49 anos            48%        13,2 milhões
        50 a 64 anos            39%        12 milhões
        65 a 84 anos            31%         4,8 milhões

 

A realidade é que a maioria da população não administra adequadamente suas finanças é necessário ser persistente na cobrança, não deixe o cliente esquecer que lhe deve pagar.

*Luiz Renato Ramos Petry – Presidente da CDL-Biguaçu SC e Proprietário das Lojas Ideal

Publicidade