O Ministério Público Federal em Santa Catarina (MPF-SC) vai acompanhar a investigação sobre o assassinato do indígena Marcondes Namblá, de 38 anos, crime ocorrido em Penha na madrugada de 1º de janeiro.

O procurador-chefe da Procuradoria da República em Santa Catarina, Darlan Airton Dias, recebeu nesta segunda-feira representantes do povo Laklãnõ-Xokleng, da Terra Indígena Laklãnõ, da aldeia de Marcondes, em José Boiteux, no Vale do Itajaí, que manifestaram preocupação com a elucidação do crime.

Publicidade

As lideranças da Terra Indígena Laklãnõ solicitaram que o MPF/SC abra um Procedimento de Investigação Criminal (PIC) para que sejam averiguadas as causas do assassinato.

Estiveram no encontro com o procurador-chefe Darlan Airton Dias o cacique presidente da Terra Indígena Laklãnõ, Tucun Gakran, e as lideranças indígenas Faustino Criri, Brasílio Priprá, Joasias Cuzugni, Jonas Ka-Mdem, Namblá Gakran, Carl Liwies Cuzung Gakran e Isabel Prestes da Fonseca.

Publicidade