Abertura de novas empresas em Biguaçu cresce 34% em relação a 2020 e 52% frente a 2019

Publicidade

Levantamento disponível no Painel Mapa de Empresas da Secretaria Especial da Fazenda, vinculada ao Ministério da Economia, mostra que 1.356 empresas foram abertas no município de Biguaçu, entre janeiro e maio de 2021. Houve aumento de quase 34% em relação ao mesmo período de 2020 (ano muito impactado pela pandemia), quando o total foi de 1.014, e acréscimo de 52,5% frente a 2019 (antes da pandemia), cujo montante foi de 889 novos CNPJs nos cinco primeiros meses daquele ano.


Cidade recebeu 1.356 novas empresas nos cinco primeiros meses de 2021, número 52,5% maior que o mesmo período de 2019 e 34% superior a 2020 (Foto: Assessoria)

Para o prefeito Salmir da Silva (MDB), “os dados mostram que o nosso município está retomando fôlego após a crise provocada pelo Coronavírus, que gerou e ainda gera fortes impactos econômicos e sociais. Biguaçu é uma das cidades que oferece as melhores oportunidades para a instalação de empresas e geração de emprego e renda da região, possuindo uma localização estratégica próximo da Capital e de portos, além do fácil acesso via BR-101”.

Continua após a publicidade

Mais empregos

O bom momento que a cidade vive com a chegada de novos negócios se reflete na geração de empregos. Relatório do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho, aponta que, entre janeiro e maio de 2021, Biguaçu tem saldo de 1.064 pessoas com carteira assinada. Foram 3.762 admissões, ante aos 2.698 desligamentos. Os setores que mais empregaram foram construção civil, com 522; indústria, 192; serviços, 187; comércio, 148; e agropecuária, 15.

Não dá para fazer comparação com janeiro a maio de 2020, devido ao impacto do início da pandemia de coronavírius. Naquele período, a conta foi negativa em 147 postos de trabalho, já que muitas empresas demitiram funcionários. Porém, se compararmos com o ano de 2019 (antes da pandemia), o período de 2021 gerou mais que o dobro de vagas de emprego que o daquele ano – quando o saldo foi de 457 postos.

  • Janeiro a maio de 2019 – saldo de 457 vagas
  • Janeiro a maio de 2021 – saldo de 1.064 vagas
Prefeito Salmir da Silva: “Município está retomando fôlego” (Foto: Assessoria)

Construção Civil

Betoneiras, pás e colheres de pedreiro estão “a todo o vapor” em Biguaçu, com obras residenciais e comerciais surgindo por toda a cidade. A constatação visual de que a construção civil está aquecida é corroborada com os números apresentados pela Secretaria de Planejamento.

No 1º semestre de 2021, foram emitidos 103 alvarás de construção. Considerando que, com avanço da vacinação contra Covid-19 a economia ficará ainda mais aquecida no segundo semestre do ano, o volume de autorizações para fazer casas e prédios residenciais e comerciais poderá com muita facilidade ultrapassar o número de 200. Para efeito de comparação, em 2020, a Prefeitura emitiu 183 alvarás e, em 2019, o total foi de 175.

O secretário de Desenvolvimento Econômico, André Leal, atribui o destaque da construção civil à “continuidade das atividades durante a pandemia e ao aumento da procura pelos serviços de reformas residenciais e construção de novos imóveis, cenário que também favoreceu a retomada e fomentação do comércio local”.

Programas de incentivo

A Prefeitura de Biguaçu, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, atua em duas frentes para o incentivo à criação e formalização de empresas e no preenchimento de vagas de emprego no município. Tratam-se do Programa Domicílio Fiscal e do Programa Pró-Emprego.

O Programa Domicílio Fiscal tem o objetivo de desenvolver e regularizar as empresas e profissionais autônomos prestadores de serviços não estabelecidos quanto ao Cadastro Mobiliário Municipal e atrair novos investimentos. Essa iniciativa visa estimular a formalidade das atividades econômicas, permitindo ao prestador a possibilidade de emissão de notas fiscais de serviços e de otimização do tempo quanto à burocracia na abertura de empresas. As empresas ou profissionais autônomos não estabelecidos que se interessarem em aderir ao programa poderão eleger como domicílio fiscal o endereço fiscal da Casa do Empreendedor, que fica junto à Secretaria.

Já o Programa Pró-Emprego funciona como um elo entre as empresas que buscam profissionais e os candidatos que estão à procura de uma oportunidade. A Secretaria de Desenvolvimento Econômico possui um banco de vagas e de currículos, aproximando as empresas e trabalhadores para promover o preenchimento de vagas.

“Os programas que oferecemos aproximaram a administração pública da iniciativa privada. Essas ações estimulam o crescimento de diversos setores, assim como a localização privilegiada da cidade favorece a adesão de novas empresas ao município”, complementa o secretário, André. Interessados em aderir aos programas, devem buscar atendimento na sede da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, localizada na Rua Sete de Setembro, 78, Centro. O horário de atendimento é de segunda a sexta-feira, das 13h às 19h.

Publicidade