Após Câmara de Biguaçu abrir processo para cassar mandato, Douglas renuncia

Publicidade

O ex-chefe da Casa Civil Douglas Borba (PSL) protocolou na Câmara de Biguaçu, na tarde desta terça-feira (19), um ofício anunciando que está renunciando ao mandato de vereador, do qual estava licenciado desde janeiro de 2019. Na sessão de ontem, os vereadores aprovaram a abertura de processo para analisar o pedido para casar o mandato dele, feito pela vereadora Salete Cardoso (PL). Com isso, Douglas escapa de ser cassado e preserva os direitos políticos.

Douglas pediu exoneração da Casa Civil há 10 dias e hoje renunciou ao mandato de vereador (Foto: Arquivo/Biguá News)

Ontem, antes da sessão, ele apresentara um pedido de licença por mais 30 dias. No documento entregue ao Poder Legislativo hoje, Borba afirma que renuncia ao cargo para “dedicar-se à família e aos assuntos privados”. Ele terá que concentrar seu tempo na defesa dos processos no qual é investigado – no caso da compra suspeita de 200 respiradores, com pagamento adiantado de R$ 33 milhões do Governo do Estado à empresa Veigamed. Como Douglas entregou um pedido de licença ontem e hoje fez a renúncia, tudo indica ser uma manobra para escapar da cassação.

Continua após a publicidade

Leia também:

Leandro diz na CPI ser perceptível crescimento patrimonial de Douglas

Contabilista de Biguaçu foi procurado para abrir filial da Veigamed em SC

O Ministério Público e a Polícia Civil investigam as irregularidades naquela aquisição feita pela Secretaria de Estado de Saúde. O ex-secretário Helton Zeferino e a servidora Márcia Regina Pauli atestam que fora Douglas quem apresentou o empresário Fábio Guasti – que negociou em nome do fornecedor. Ainda analisam o interesse de Douglas ter apresentado o advogado Leandro Adriano de Barros – que tem ligação profissional com Fábio Guasti – para atuar junto à Secretaria de Saúde no processo de compra dos aparelhos.

Notícias no WhatsApp? Clique aqui: https://chat.whatsapp.com/LcIjuTus86K53EQX4uT80w

Douglas, Leandro, Guasti e os outros envolvidos tiveram os bens bloqueados pela Justiça a pedido do MPSC, para eventual reparo aos cofres públicos, caso fique comprovado alguma irregularidade.

Publicidade