Biguaçu registra gripe aguda causada por vírus influenza

Publicidade

Biguaçu tem um caso confirmado este ano de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) – também conhecido por “gripe A” – causado pelo vírus influenza, segundo dados divulgados na tarde desta quinta-feira (12), pela Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina (Dive/SC). O boletim epidemiológico não informa qual o subtipo acometeu o paciente, se fora o H1N1, o H3N2, ou Influenza B. A pessoa recebera tratamento e a gripe evoluiu para a cura. Já em Florianópolis, um idoso de 72 anos morreu vítima de H3N2, no mês de janeiro.

De acordo com a Dive/SC, em todo o Estado foram notificados 95 casos entre 31 de dezembro de 2017 até o dia 11 de abril de 2018, com a confirmação de 17. Outros 56 tiveram resultado negativo para Influenza A e B (SRAG não especificada); 5 casos de SRAG foram ocasionados por outro vírus respiratório; e 17 se encontram em investigação, aguardando confirmação laboratorial. Dos 17 confirmados para influenza, 11 são pelo subtipo A (H3N2), 4 por A (H1N1) e 2 por Influenza B.

Continua após a publicidade

Segundo o diretor da Dive/SC, Eduardo Macário,  até o momento, o número de casos de SRAG por influenza está dentro do esperado para o período que antecede a sazonalidade.

“Esse período inicia a partir de maio permanecendo até o final de agosto. Há predomínio do vírus influenza A(H3N2), acometendo idosos e adultos portadores de comorbidades (doenças crônicas). Também há uma circulação pequena, mas importante, do vírus Influenza A(H1N1), que pode refletir uma tendência de maior circulação desse vírus quando comparado ao ano de 2017, em que houve predomínio quase absoluto do subtipo A(H3N2) e somente um caso de A(H1N1)”, afirma.

Conforme Macário, isso reforça a importância de a população, em especial os portadores de fatores de risco para agravamento e óbito (idosos, doentes crônicos etc.), procurar o serviço de saúde mais próximo da residência aos primeiros sinais e sintomas de gripe, para o tratamento adequado.

Além disso, devem ser reforçadas as medidas de prevenção, principalmente lavar as mãos com frequência e evitar ambientes fechados e com aglomeração de pessoas. Também é necessário manter limpos com álcool superfícies e objetos que entram em contato frequente com as mãos, como mesas, teclados, maçanetas e corrimãos, além de não compartilhar objetos de uso pessoal, como copos e talheres.

A 20ª Campanha Nacional de Vacinação contra a influenza está prevista para ocorrer de 23 de abril a 1º de junho, com o dia “D” programado para ocorrer no dia 12 de maio, data em que todos os postos de vacinação deverão permanecer abertos. “Em Santa Catarina deverão ser imunizadas 1.844.225 pessoas pertencentes aos grupos prioritários para a vacinação”, informa Vanessa Vieira da Silva, gerente de Imunização da Dive/SC.

Grupos prioritários para vacinação: professores do ensino infantil, fundamental e médio de escolas públicas e privadas e do ensino superior público e privado; indivíduos com 60 anos ou mais; crianças entre 6 meses e 5 anos; gestantes; puérperas – até 45 dias após o parto; trabalhadores da saúde; povos indígenas; grupos portadores de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais; adolescentes e jovens de 12 a 21 anos sob medidas socioeducativas; população privada de liberdade; e funcionários do sistema prisional.

Publicidade