Câmara de Biguaçu economiza R$ 500 mil e analisa retomar obra da sede

Publicidade

A presidente da Câmara de Biguaçu, Salete Cardoso, comentou, nesta quinta-feira (22), em entrevista, que está economizando recursos do orçamento daquela Casa de Leis, na tentativa de retomar a construção da sede própria do Poder Legislativo. Segundo a vereador, no primeiro semestre de 2015 foram economizados cerca de R$ 500 mil – o que já permitiria voltar a tocar a obra.

Conforme Cardoso, entre as medidas de economicidade tomadas durante a sua gestão estão: organização e reestruturação do setor de licitação, o fim das licenças remuneradas para vereadores, a diminuição no pagamento de diárias e medidas de conscientização para otimizar os trabalhos e materiais de expediente.

Continua após a publicidade

“O meu compromisso tem sido o de negociar com a empresa para que os trabalhos sejam retomados o mais rápido possível. Foi dado como prazo até o dia 27 de julho para que a empresa contratada faça a apresentação dos reais custos financeiros desta última etapa, desde a paralisação da obra, para que cheguemos a um consenso, baseado na legalidade do processo. Caso isso não seja possível, faremos os encaminhamentos pertinentes”, explicou, por meio da assessoria.

A obra de seis pavimentos está parada há dois anos.  Iniciada em 2010, a construção parou em agosto de 2013, por falta de recursos. Atualmente, a Câmara de Biguaçu para cerca de R$ 13,5 mil por mês de aluguel. Como a nova sede está sendo feita em tamanho superior às necessidades do legislativo, o prédio poderá ser usado também para abrigar secretarias do Poder Executivo.

“A conclusão da obra proporcionará uma economia de aproximadamente R$ 500 mil por ano aos cofres públicos, que seriam gastos em aluguel e que poderão ser investidos em outras áreas”, comentou a presidente.

 

O valor total da obra ultrapassa os R$ 3 milhões, dos quais ainda faltam ser pagos cerca de R$ 2 milhões.

Publicidade