Caminhoneiros dizem que greve só termina quando governo retirar tributação sobre diesel

Publicidade
Protesto de caminhoneiros trava Rodovia Régis Bittencourt em Embu das Artes (Foto: Reprodução/TV Globo)

A Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam) afirmou nesta quinta-feira (24) que as paralisações e protestos que acontecem pelas estradas do país Brasil serão suspensos se o governo retirar a PIS/Cofins e a Cide incidentes sobre os combustíveis e a medida entrar oficialmente em vigor.

O presidente da entidade, José da Fonseca Lopes, disse entrevista à rádio CBN, que a redução de 10% na cotação do diesel pelo período de 15 dias, anunciada na noite de quarta-feira pela Petrobras, “não é suficiente” e não resolve a situação.

Continua após a publicidade

“[A greve] só vai ser suspensa quando governo bater o martelo”, disse Lopes, acrescentando que a categoria tem uma nova reunião marcada com o governo às 14h, em Brasília.

“Se na reuniçao e hoje o Ministro Padilha e todos os participantes anunciarem: Olha, está aqui, o presidente assinou. O PIS-Cofins está fora até o final do ano, ou do outro ano. Daí o movimento é suspenso”, afirmou.

Ele defendeu a adoção de uma política clara de preços, para que os caminhoneiros possam se planejar e não sejam surpreendidos a cada dia por um valor diferente nas bombas.

Na noite de quarta-feira, a Câmara dos Deputados aprovou, em votação simbólica, o projeto que elimina a cobrança de PIS-Cofins sobre o diesel até o fim de 2018. A proposta ainda precisa ser analisada pelo Senado, antes de seguir para a sanção presidencial.

Publicidade