Douglas é citado no Jornal Nacional em reportagem sobre os respiradores

Publicidade

O nome do chefe da Casa Civil de Santa Catarina, Douglas Borba (PSL), foi citado no Jornal Nacional, da Rede Globo, neste sábado (9), em notícia sobre a Operação O², do Gaeco, que apura as irregularidades no processo de compra de 200 respiradores, por R$ 33 milhões, com pagamento adiantado e sem nenhuma garantia da Veigamed – empresa do Rio de Janeiro contratada pelo Governo do Estado. A reportagem mostrou Borba dentro sede da Diretoria Estadual de Investigações Criminais (Deic), em São José, e falou do depoimento.

Douglas foi mostrado no Jornal Nacional dentro da sede do Deic (Imagem: Reprodução)

A Operação Oxigênio cumpriu 35 mandados de busca e apreensão na Casa Civil e em municípios de quatro estados (SC, RJ, SP e MT), incluindo Biguaçu. Houve sequestro de R$ 11 milhões nas conta dos suspeitos e também a apreensão de grande quantidade de dinheiro em espécie em uma casa, no Rio de Janeiro. “Somente em um dos locais onde a polícia foi hoje, foram apreendidos mais de R$ 300 mil em espécie”, disse o delegado-geral da Polícia Civil, Paulo Koerich.

Continua após a publicidade

Leia também:

 Gaeco faz operação na Casa Civil e em residências de Biguaçu

Douglas presta depoimento na sede do Deic sobre compra dos respiradores

Gaeco bloqueia R$ 11 milhões em conta de suspeito no caso dos respiradores

A força-tarefa incluindo o MPSC, Polícia Civil e Tribunal de Contas do Estado identificou a possível existência de uma organização criminosa que agiu no processo de compra dos respiradores em SC, com a apresentação de empresas de fachada no processo. “É bom ressaltar aqui que existem indícios veementes que o processo de compra foi fraudulento e sem garantias minimas para a operação, como seguro contrato ou carta fiança”, diz o MPSC.

A operação apreendeu celulares, notebooks, computadores e documentos para investigar eventuais irregularidades no processo de aquisição desses respiradores, bem como para averiguar envolvimento da quadrilha na contratação de empresa para instalar hospital de campanha em Itajaí, por R$ 77 milhões; num processo de compra de R$ 70 milhões de EPI’s que foi arquivado por evidências gritantes de irregularidades nos fornecedores.

Veja o vídeo da reportagem aqui: https://globoplay.globo.com/v/8543814/

Publicidade