Eleições: 14 deputados federais vencem disputas para prefeito

Publicidade

Seis deputados federais foram eleitos prefeitos no segundo turno das eleições municipais, realizado neste domingo (30) em 57 cidades brasileiras que possuem mais de 200 mil eleitores. No total, entre o primeiro e segundo turno, 14 deputados federais consagraram-se nas urnas, sendo que 13 foram eleitos para comandar cidades do interior.

O número de eleitos neste ano é inferior ao resultado do pleito municipal de 2012, quando 25 deputados saíram vitoriosos no total. Também é menor do que o verificado em 2008, quando 18 deputados federais foram eleitos para comandar cidades brasileiras.

Continua após a publicidade

Capital

Ao todo, 71 deputados disputaram a eleição para prefeito em 2016. Outros dez foram candidatos a vice-prefeito.

O único a vencer em capital foi Nelson Marchezan Júnior (PSDB), eleito hoje prefeito de Porto Alegre. O deputado recebeu 402.165 votos (60,5% dos votos válidos), contra 262.601 conseguidos pelo adversário dele (39,5% dos votos válidos), o atual vice-prefeito da cidade, Sebastião Melo (PMDB).

Entre os partidos, o mais vitorioso do segundo turno foi o PSDB: a sigla conseguiu emplacar 14 candidatos de um total de 19.

Minas Gerais-Uberlandia

Vices

Além dos novos prefeitos, dois deputados foram eleitos vice-prefeitos neste domingo, ambos em chapas encabeçadas pelos atuais prefeitos, que foram reeleitos. Marcos Rotta (PMDB) foi eleito vice de Manaus (AM) na chapa de Artur Neto (PSDB), e Moroni Torgan (DEM) fez parte da chapa encabeçada por Roberto Cláudio (PDT), reeleito em Fortaleza (CE).

No primeiro turno, dois deputados – Manoel Júnior (PMDB-PB) e Bruno Covas (PSDB-SP) – haviam sido eleitos vice-prefeitos, respectivamente de João Pessoa e São Paulo.

Posse

Os deputados federais eleitos nos dois turnos terão de renunciar ao cargo na Câmara para serem diplomados e tomarem posse nos respectivos municípios no dia 1º de janeiro de 2017 – o mandato nas prefeituras vai até 31 de dezembro de 2020.

Publicidade