Feira do Mel segue até sábado em Florianópolis com preços acessíveis

Publicidade

Cerca de 50 mil pessoas devem visitar a 16ª Feira do Mel, que iniciou na quarta-feira (10) e segue até o sábado (13), no Largo da Alfândega, em Florianópolis. A edição traz expositores de todas as regiões do Estado em 18 estandes de comercialização de produtos. Um dos atrativos para quem passar pela feira é o preço do quilo de mel, que poderá ser adquirido por R$ 17, preço 40% menor do que a média do comércio varejista. A Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca destinou R$ 20 mil para a realização do evento.

O presidente da Federação das Associações dos Apicultores e Meliponicultores de Santa Catarina (Faasc), Nésio Fernandes de Medeiros, disse que a feira faz parte do calendário de eventos de Florianópolis e, com ela, é possível oferecer um preço acessível do mel ao consumidor. “Na feira, está sendo vendido por R$ 17, sendo que quando esse produto chega ao comércio varejista o preço vai para cerca de R$ 30 o quilo. Então a feira tem o objetivo de levar às pessoas o mel com preço acessível e incentivar as famílias a consumirem o produto”, afirmou.

Continua após a publicidade

Para a visitante Keila Sontag de Moraes, o mel faz parte da alimentação de sua família. “Encontramos muitos atrativos, como o preço. Comprei no mercado na semana passada por R$ 22,00 o quilo, então aqui já é uma economia. Usamos o mel para alimento e remédio”.

O presidente da Associação de Apicultores de Campo Alegre, Egon Luiz Drefahl, salientou que o mel vem direto do produtor rural. “O nosso produto vai do agricultor direto para o consumidor. Trouxemos em torno de 900 quilos de mel para feira, mesmo número do ano passado. Nossa expectativa é vender todos esses quilos. Consideramos o mel o doce sabor da natureza, produto essencial para saúde”.

O farmacêutico e bioquímico de uma empresa de mel de Araranguá, Célio Marcos da Silva, informou que Santa Catarina tem uma diversidade grande de flora e, consequentemente, é possível colher uma variedade de mel. “Por isso, estamos aqui com oito variedades. A importância da apicultura também é apresentada nessa feira. A nossa empresa tem o foco na exportação. No ano passado, exportamos seis mil toneladas. O mel é um alimento com propriedades biológicas importantes e deve fazer parte do dia a dia das pessoas”.

Na feira também há uma equipe de massoterapeutas fazendo gratuitamente uma massagem facial com sabonete à base de mel, argila e pólen. A Feira do Mel estará aberta das 8h às 18h30 durante a semana e, no sábado, das 8h às 13h.

A técnica em enfermagem Maria Marçal, de Laguna, visitou a feira e fez uma limpeza de pele gratuita. “Muitas pessoas não têm condições de efetuar uma limpeza de pele. Sabemos o quanto é caro. E o mais importante: o tratamento é feito com produtos naturais. É um fator que deve ser bem aproveitado. Vou até fazer umas compras dos cremes para continuar cuidando da pele em casa”.

“Trazemos para a feira como novidade o sabonete de geleia real e o creme hidratante com própolis, mel e pólen que agem como desintoxicante, auxiliando também nas manchas da pele. Este é o quarto ano que participamos da feira, e a cada ano, recebemos mais elogios dos produtos”, informou o terapeuta oriental de Campo Alegre, Antonio Lorenzetti.

Apicultura em Santa Catarina

Em Santa Catarina, são mais de 30 mil famílias rurais dedicadas à apicultura, possuindo um total de 350 mil colmeias instaladas e uma produção de seis mil toneladas/ano. De acordo com dados da Confederação Brasileira de Apicultura (CBA), os brasileiros consomem, em média, 128 gramas de mel por ano. Bem menos do que em outros países. Nos Estados Unidos, a média é de 1,5 kg por pessoa ao ano e, na Alemanha, a taxa sobe para 2,2 kg por pessoa a cada ano. Santa Catarina já foi líder nacional na produção de mel, mas vem perdendo espaço nos últimos anos.

Para reverter esse quadro e incentivar a produção, a Secretaria de Estado da Agricultura oferece um programa que fornece aos produtores equipamentos necessários para implantação da apicultura na propriedade. Cada kit é composto por colmeias, com ninho e dois melgueiras; cera alveolada para seis comeias; formão; dois macacões completos com máscara; dois pares de luvas e um fumegador, cobertura ecológica, arames, esticador de arame, rainha, núcleo Langstoth, alimentador de cobertura, luvas, jaleco. O valor do kit é de aproximadamente R$ 1,8 mil.

Ao adquiri-lo, o produtor terá dois anos de prazo para pagamento com parcela anual. Se o pagamento for único, quando do vencimento da primeira, haverá subvenção da ordem de 60% sobre o valor da segunda parcela. Neste caso, o produtor pagará apenas R$ 1.260,00. A Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri) também está ampliando sua equipe técnica e promovendo 13 seminários que já estão em andamento nas diversas regiões do estado, além de ter agendada a execução de cerca de 150 atividades grupais, onde será realizado o planejamento de ações e transferência de tecnologia. A realização da Feira do Mel é da Faasc e, além da Secretaria da Agricultura, conta com o apoio do Serviço Brasileiro de Apoio a Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) e da Epagri.

Publicidade