Gean vence em Florianópolis com 1.153 votos de diferença

Publicidade

O deputado estadual Gean Loureiro (PMDB) venceu as eleições para prefeito de Florianópolis, neste domingo, com apenas 1.153 votos de vantagem sobre Angela Amin (PP). Com 100% das urnas apuradas, ele somou 111.943 sufrágios (50,26%) enquanto ela fez 110.790 (49,74%).

A disputa foi no “voto a voto”, com Amin liderando a contagem na maior parte da apuração. Quando faltavam apenas 7 mil votos a serem contados, Angela estava cerca de 1,5 mil à frente. No entanto, as urnas finais deram a virada ao peemedebista.

Continua após a publicidade

A eleição também ficou marcada pela grande quantidade de votos brancos (10.358) e nulos (31.988), revelando que boa parte do eleitorado não queria nem um, nem outro. Além disso, foi alto o número de abstenções, já que 51.181 eleitores não foram às cabines de votação. A soma da abstenção (16,18%), nulos (12,07%) e brancos (3,91%) totalizou 93.597 votos, o equivalente a 32,16% dos 316.260 eleitores aptos a votar.

cronologia-apuracao-florianopolis

Ataques

Gean e Angela travaram uma campanha agressiva um contra o outro, com ataques de parte a parte. A Justiça Eleitoral precisou intervir várias vezes, com direitos de resposta e determinação de retirada de propagandas políticas do rádio e da TV.

Amin apontou que seu adversário teria causado prejuízo de R$ 2,5 milhões ao município no caso da contratação do tenor Andrea Bocelli, justamente quando Loureiro era secretário municipal. Disse que Gean prometera acabar com a poluição do rio do Braz, em Canavieiras, quando ele foi presidente da Fatma, em 2013, mas isso não foi feito. Também apontou que a coligação com 15 partidos geraria um “cabide de empregos” na prefeitura para acomodar todos os interesses dos que apoiaram o peemedebista.

Loureiro afirmou que sua adversária teria causado prejuízo milionário à capital, acusando-a de, quando prefeita, ter autorizado a transferência de R$ 18 milhões da Caixa Econômica Federal para aplicar no Banco Santos, em setembro de 2004. Dois meses depois, o Banco Santos sofreu intervenção do Banco Central e, em 2005, foi determinada a falência. Além disso, Gean usou a história da “carrocinha”, acusando Angela de autorizar o extermínio de cães de rua durante um de seus mandatos.

Atualizada às 18h53/18h58/19h12 

Publicidade