Governo do Estado libera obras privadas de construção civil

Publicidade

O governador Carlos Moisés anunciou, na tarde desta quarta-feira, dia 1º de abril, a liberação das obras privadas de construção civil e de sua cadeia produtiva em Santa Catarina. A decisão foi oficializada por meio da Portaria 214 publicada no Diário Oficial do Estado e passa a valer a partir desta quinta-feira (2). O número de casos de Covid-19 em SC chegou a 247 nesta quarta-feira. A retomada do setor foi determinada após uma reunião de trabalho do núcleo econômico, que engloba a equipe do Governo do Estado, as principais entidades do setor produtivo e representantes da Assembleia Legislativa, da Federação dos Municípios (Fecam) e do Ministério Público. 

Segundo o governador, a liberação proporciona um tratamento igualitário ao setor da construção civil, uma vez que as obras públicas já haviam sido retomadas no começo da semana. Carlos Moisés salienta que as empresas precisarão respeitar as normas de distanciamento social e de liberação do trabalho de pessoas do grupo de risco. 

Continua após a publicidade

Leia também:

Biguaçu prorroga decreto e permite funcionar alguns setores; veja

Isolamento social é prorrogado por mais 7 dias em Santa Catarina

“Nós concluímos que havia um tratamento desigual e precisávamos distensionar o setor da construção civil. A decisão vai nesse sentido. As empresas precisarão respeitar as normas estabelecidas pelo Governo do Estado. A retomada gradativa das atividades precisa ocorrer de forma segura e as reuniões do Núcleo Econômico nos levam a ter mais estabilidade na tomada das decisões”, afirmou o governador.

A portaria determina também a liberação do funcionamento dos estabelecimentos comerciais de materiais de construção, ferragens, ferramentas, material elétrico, cimento, tintas, vernizes e materiais para pintura, mármores, granitos e pedras de revestimento, vidros, espelhos e vitrais, madeira e artefatos, materiais hidráulicos, cal, areia, pedra britada, tijolos e telhas.

O chefe da Casa Civil, Douglas Borba, salientou que as decisões tomadas pelo Núcleo Econômico serão soberanas, com a participação de todos os entes, tanto públicos quanto privados. “Estamos buscando um equilíbrio das ações. As condições sanitárias serão respeitadas e todas as decisões preservarão a saúde dos catarinenses, com intensa fiscalização”, frisou.

Publicidade