Hemosc está com estoque de sangue abaixo do ideal e pede doações

Publicidade

A doação de sangue é uma atitude essencial para auxiliar no tratamento de alguns pacientes e em casos de acidentes que demandam transfusão. Para atender esses casos de emergência e solicitações médicas, o Hemosc precisa manter seu estoque de bolsas de sangue em bom nível. Em Santa Catarina, o Hemosc ainda precisa ampliar o seu estoque, especialmente nesta época ano, quando as doações diminuem.

“Os nossos estoques do tipo negativo estão abaixo do que consideramos ideal. Já começamos a chamar doares negativos do cadastro. As nossas doações caíram bastante, geralmente isso acontece nesta época. Por exemplo, nos últimos dias de dezembro e início de janeiro, ficamos com a doação média de 70 bolsas por dia em Florianópolis e 300 no Estado. Nós precisaríamos ter 150 bolsas em Florianópolis e 550 no resto do Estado para conseguirmos manter um estoque dentro de um nível seguro”, disse a diretora-geral do Hemosc, médica hematolgista e hemoterapeuta Denise Linhares Gerent.

Continua após a publicidade

Denise explicou que todo o processo de doação leva, em média, 45 minutos e são retirados aproximadamente 450 ml de sangue. A coleta é feita por pessoal capacitado e sob supervisão de um médico ou enfermeiro, garantindo o bem-estar do doador. “É preciso que as pessoas venham e doem sangue mesmo nessas épocas. Doar sangue não dói e pode salvar muitas vidas”, diz Denise.

Maiores índices de doações

Santa Catarina é o Estado com um dos maiores índices de doações espontâneas no Brasil, com 86% do total de sangue doado na instituição. O Hemosc também apresenta dados estatísticos de relevância em relação aos doadores de repetição, que são aqueles que doam mais de uma vez num período de 12 meses, apresentando um percentual de 47%, o que reflete diretamente na qualidade do sangue transfundido.

A estudante de 18 anos, Mariane Menezes, doou sangue pela primeira vez no dia 12 de janeiro e afirmou que pretende repetir o ato. Ela relatou que o interesse e a vontade de ajudar ao próximo surgiram após uma amiga precisar. “Eu fiquei comovida e sensibilizada e, a partir daí, resolvi que seria uma doadora para ajudar as pessoas”, contou.

“Doar sangue é uma atitude simples e que pode salvar muitas vidas. É um pequeno gesto de uma importância imensa”, afirmou a funcionária pública Regina Célia Stolk Francisco.

Números

No ano de 2014, 157.505 catarinenses candidataram-se a doação de sangue, dos quais 128.151 efetivaram sua doação ajudando milhares de pacientes no Estado. Em 2015, foram 163.980 candidatos, e desses, 126.520 realizaram sua doação. Dessa forma, eles contribuem para que o Hemosc cumpra sua missão de disponibilizar à população, por meio da hemorrede pública, acesso ao atendimento hemoterápico e hematológico de qualidade.

Maurici doou sangue 52 vezes

O técnico em enfermagem Maurici Lopes já doou sangue 52 vezes. Ele afirmou que sabe a importância deste gesto de solidariedade. “Muitas pessoas precisam de sangue todos os dias. Essa atitude não traz alegria somente para quem recebe”, afirmou.

Para saber os locais de doação de sangue no Estado acesse www.hemosc.org.br.
Saiba mais sobre a doação de sangue

Por que doar sangue?

O sangue é um tecido vivo que circula pelo corpo, essencial à vida. Todos os dias acontecem centenas de acidentes, cirurgias e queimaduras violentas que exigem transfusão, assim como os portadores de hemofilia, leucemia e anemias.

Além disso, doar sangue é um ato simples, tranquilo e seguro que não provoca risco ou prejuízo à saúde. Se cada pessoa saudável doasse sangue espontaneamente pelo menos duas vezes ao ano, os hemocentros teriam hemocomponentes suficiente para atender toda população. O sangue não tem substituto. Por isso, a doação espontânea e periódica é fundamental. Uma única doação de sangue pode salvar várias vidas.

Publicidade