Hospital de Biguaçu atende 530 pacientes no 1º mês de funcionamento

Publicidade

Prefeito Ramon Wollinger e o diretor da Secretaria de Saúde Alessandro Garbelotto em reunião com a direção do Hospital de Biguaçu - Foto Martha Huff SECOMO Hospital Regional de Biguaçu já atendeu, desde a sua abertura, no dia 28 de agosto, mais de 530 pacientes que aguardavam por consultas com médicos especialistas. A direção da unidade realizou uma pesquisa com os pacientes após os atendimentos para avaliar o grau de satisfação com os serviços oferecidos, desde a recepção, médicos, enfermagem, limpeza e do hospital de maneira geral.

O diretor do hospital, Valmor Busnello, explicou que “a grande maioria dos pacientes considerou como excelente e bom os serviços, o que aponta que se está no caminho certo, oferecendo atendimentos de alta qualidade”, completou o diretor. A gestão do hospital é de responsabilidade da Beneficência Camiliana do Sul – São Camilo, entidade contratada pela Prefeitura após processo licitatório.

Continua após a publicidade

Pesquisa de Setembro – Ambulatório do Hospital Regional de Biguaçu

Serviço

Excelente

Bom

Regular

Ruim

Não respondeu

Total

Recepção

95,45%

4,55%

0,00%

0,00%

0,00%

100%

Médico

95,45%

0,00%

0,00%

0,00%

4,55%

100%

Limpeza

77,27%

22,73%

0,00%

0,00%

0,00%

100%

Enfermagem

95,45%

4,55%

0,00%

0,00%

0,00%

100%

Hospital

72,73%

22,73%

0,00%

0,00%

4,55%

100%

Total

87,27%

10,91%

0,00%

0,00%

1,82%

100%

                      Fonte: São Camilo

Com 110 leitos, o Hospital Regional de Biguaçu Helmuth Nass foi construído pela Prefeitura de Biguaçu com apoio do Governo do Estado e do Governo Federal. O nome escolhido para a unidade homenageia um dos primeiros farmacêuticos a atender no município.

Seguindo o cronograma de funcionamento, foram iniciados os atendimentos ambulatoriais. Do total de pacientes já atendidos, a maioria é de Biguaçu, que aguardavam na fila à espera de consulta com médicos especialistas em Endocrinologia, Urologia, Nefrologia, Ortopedia, Dermatologia, Cardiologia e Proctologia. Também foram atendidos pacientes dos municípios de Antônio Carlos, Governador Celso Ramos e São João Batista. A partir de outubro atenderá todos os municípios da Grande Florianópolis.

A direção do hospital está em fase de contratação de médicos especialistas em Neurologia e Reumatologia, além de cirurgiões Otorrinolaringologista, Ginecologista, Vascular e Geral, para que se dê prosseguimento ao cronograma de funcionamento da unidade, que prevê nesta segunda etapa o início dos atendimentos de urgência e internações clínicas (adultas e pediátricas) e procedimentos cirúrgicos, tendo por fim a Unidade de Tratamento Intensivo (UTI).

“O Hospital de Biguaçu vem cumprir um papel importante em composição com os outros hospitais da região, com foco em cirurgias de média e baixa complexidade e pediatria, vindo a coroar nossa estrutura de saúde do município, que é referência no Estado. Tudo está fluindo conforme o cronograma, sendo realizado por etapas e a abertura gradativa ocorre da mesma forma em outras unidades hospitalares desse porte”, afirmou o prefeito Ramon.

Já o secretário municipal de Saúde, Ângelo Ramos Vieira, ressaltou que “finalmente estamos vendo nosso tão almejado hospital em funcionamento. Mesmo diante de diversas dificuldades financeiras, pois ainda não chegaram todos os recursos para o hospital, vemos a cada dia a contratação de mais e mais profissionais, sejam eles médicos ou de enfermagem. Já temos quase uma dezena de especialidades contratadas e em pleno atendimento e para as próximas semanas já teremos as cirurgias. O desafio é grande, mas a população será cada vez mais atendida”.

O Hospital de Biguaçu é uma unidade de atendimento referenciado, também chamado de modelo “portas fechadas”, o que na prática significa que os pacientes devem ser encaminhados por outros serviços de saúde, como por exemplo pela Unidade de Pronto Atendimento (UPA), o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU), Corpo de Bombeiros, ou ainda pela rede de saúde básica (postos de saúde) ou outros hospitais.

O custeio mensal do hospital será de R$ 2,3 milhões, sendo dividido igualmente entre o Governo do Estado e o Governo Federal. Para o início dos atendimentos, o Governo do Estado aportou o repasse de R$ 1,1 milhão. Durante a inauguração, o ministro da Saúde assinou a portaria de habilitação e de recursos federais para a manutenção anual do hospital, no valor de R$ 14.980.731,84.

A informação é da assessoria.

Publicidade