Importadores acusam Petrobras de segurar artificialmente os preços dos combustíveis

Publicidade

A Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis (Abicom) acusa a Petrobras de manter uma “elevada” defasagem dos preços da gasolina e do óleo diesel, em relação ao mercado internacional. Por isso, acredita que a estatal vai anunciar em breve um reajuste de preços. Pelo cálculo da entidade, a gasolina brasileira está, em média, 12% mais barata do que a comercializada no exterior e o óleo diesel, 7%.

“A valorização dos derivados no mercado internacional amplia defasagens. A alta pressiona os preços domésticos de combustíveis e operações de importação seguem inviabilizadas”, afirmou o presidente da associação, Sérgio Araujo.

Continua após a publicidade

A Petrobras, no entanto, toda vez que é acusada de segurar seus preços, reafirma a sua política de paridade de importação. Isso significa que, para definir os valores dos seus combustíveis, a empresa considera o preço internacional, câmbio e custos logísticos. Mas, desde que o general Joaquim Silva e Luna assumiu o comando da empresa, a gasolina e o diesel não aumentaram. O argumento é que as revisões acontecerão em prazos mais longos, para evitar o repasse ao consumidor de oscilações externas momentâneas.

Já a Abicom reforça que a desvalorização do real frente ao dólar também não justifica a manutenção dos preços da Petrobras. Além disso, de acordo com a entidade, o mercado internacional mantém sinais de que o petróleo continuará em patamares elevados neste ano.

“A Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) teve acordo sobre o aumento gradual de oferta até o fim deste ano. Sem consenso em relação ao planejamento de 2022, o grupo retoma hoje as discussões sobre manutenção do acordo ou renovação a partir do próximo ano. Mesmo com discussões em andamento, futuros do Brent têm suporte dos ganhos. No momento, cotações superam US$ 76 por barril”, afirma a Abicom.

Publicidade