Índices de vacinação contra a gripe em Santa Catarina estão abaixo da meta, alerta secretaria

Publicidade

A Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Dive), vinculada à Secretaria de Estado da Saúde (SES), alerta para os baixos índices de vacinação contra a gripe em Santa Catarina, mesmo após duas semanas do início da campanha. Até a sexta-feira, 15, foram imunizadas 570.734 pessoas no Estado, o que representa uma cobertura vacinal de 45,2%, considerada bem abaixo da meta que é 80%.

“A vacinação protege contra as formas graves de influenza. Quanto menor o número de vacinados, maior o número de pessoas suscetíveis à doença”, ressalta a gerente de Vigilância das Doenças Imunopreveníveis e Imunização da Dive, Vanessa Vieira da Silva.

Continua após a publicidade

Para reduzir ainda mais o número de casos de síndrome respiratória por Influenza em Santa Catarina é preciso que a público-alvo procure os postos de saúde. “Devemos manter as ações de vigilância e buscar altas taxas de cobertura vacinal nas populações prioritárias”, diz Vanessa. A meta da SES é vacinar 80% dos 1.590.852 catarinenses que compõem o público-alvo até o final da campanha, no dia 22 de maio.

Em 2015, até o dia 13 de maio, foram confirmados 14 casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) por Influenza no Estado. Desses casos, nove são pelo vírus A (H3N2), quatro pelo vírus A (H1N1) e um pelo vírus B. No dia 11 de maio, foi registrada a primeira morte por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) causada pelo vírus Influenza A H1N1, de um homem de 57 anos, residente em Videira.

Podem tomar a vacina gratuitamente nos postos de saúde crianças a partir de seis meses de idade e menores de cinco anos (quatro anos, 11 meses e 29 dias), gestantes, puérperas (até 45 dias após o parto), pessoas com 60 anos ou mais, profissionais da saúde e indígenas, e também pessoas com doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais, população privada de liberdade e funcionários do sistema prisional.

Entre os grupos prioritários, os que possuem maior cobertura vacinal são as puérperas (até 45 dias após o parto), com 55,6%, e os idosos, com 51,8%. Já o grupo com menor cobertura é o de trabalhadores da saúde, com 30,7%. Apenas 35,6% das gestantes tomaram a vacina, 40% das crianças e 31,4% dos indígenas.

Onde tomar a vacina

A vacina é gratuita e está disponível nos postos de saúde do Estado. O paciente deve levar a carteira de vacinação e atestado médico caso tenha uma doença crônica ou outra categoria de risco para influenza. As crianças recebem ainda uma segunda dose, que deve ser aplicada um mês após a primeira.

Contraindicações

A vacina não é recomendada para pessoas com alergia ao ovo, pois ele é utilizado na fabricação da vacina, e também é contraindicada para quem já teve reação anafilática ou alérgica à vacina.
Categorias de risco clínico com indicação para vacina contra influenza:
Doença respiratória crônica;
Doença cardíaca crônica;
Doença renal crônica;
Doença hepática crônica;
Doença neurológica crônica;
Diabetes;
Pacientes imunodeprimidos;
Obesos grau III;
Transplantados;
Portadores de trissomias: Síndrome de Down, Síndrome de Klinefelter, Sídrome de Wakany, dentre outras.

Publicidade