Inverno começa neste sábado e frio intenso é previsto para final de julho

Publicidade

O inverno começa neste sábado (20), e os primeiros dias serão de temperaturas atípicas para a estação em Santa Catarina, com calor nos primeiros dias. A tão esperada neve terá chances de vir somente em julho. Enquanto o outono foi marcado por temperaturas baixas e geada, nos primeiros dias do inverno não há indicativo de frio intenso. A primeira massa de ar frio está prevista para o final de junho e chega um pouco tímida, com poucas chances de temperatura negativa. 

Foto: Ricardo Wolffenbüttel / Secom

Os próximos meses de junho, julho e agosto serão marcados por noites e madrugadas com temperatura baixa e formação de geada ampla no Estado, seguidas de tardes com temperatura agradável e até elevada (acima de 30ºC). O frio deve se intensificar em julho, quando podem ocorrer episódios de neve no Planalto Sul.

Continua após a publicidade

Chuvas

Quanto à estiagem, se a primeira quinzena de junho foi favorável para uma boa distribuição da chuva no estado, nos primeiros dias do inverno a precipitação ficará concentrada em um curto período. Até o fim do mês, uma única frente fria é esperada para SC, provocando chuva entre os dias 25 e 27 de junho.

Doenças respiratórias

O clima mais ameno do inverno favorece doenças respiratórias e o catarinense deve reforçar a atenção para as medidas higiênicas que evitam a transmissão de vírus gripais. Além do novo coronavírus, doenças cardiovasculares também se intensificam com temperaturas mais baixas. O frio aumenta a hipertensão arterial, o que pode causar problemas cardíacos.

“Insuficiência cardíaca, infarto e acidente vascular encefálico são exemplos de quadros que se tornam mais comuns no inverno. E agora, os cuidados devem ser redobrados durante a pandemia da Covid-19”, reforça o chefe do Instituto de Cardiologia de Santa Catarina, Tiago Meister. “Doenças cardiovasculares são as que mais matam no mundo. Por isso, se os sintomas surgirem, procure seu médico, vá a uma emergência, busque seu cardiologista e uma avaliação médica para tirar suas dúvidas”, alerta.

Publicidade