Lama da Samarco atinge reserva de desova de tartarugas-gigantes no mar

Publicidade

Estadão

Mesmo com a ação de ambientalistas, que tentaram salvar as tartarugas em Regência, Linhares, na região norte do Espírito Santo, por meio da retirada dos animais, os berçários de caranguejos e de peixes, conhecidos como igarapés, foram atingidos pela lama barrenta que chegou à região.

Continua após a publicidade

A primeira tentativa de ambientalistas para evitar essa situação foi barrar os resíduos com a instalação de nove quilômetros de boias na região, há aproximadamente uma semana. Na ocasião, a mineradora informou que tal medida reteria até 80% dos resíduos, o que não aconteceu.

No entanto, segundo o chefe da reserva de Comboios, Antônio de Pádua Almeida, os ninhos das tartarugas que estavam próximos à foz do rio Doce foram retirados previamente, para que a lama não os atingisse, mas a chegada dos rejeitos à parte norte da reserva ameaça outros ninhos.

“Conseguimos retirar os filhotes que nasceram e os soltamos em outro ponto no mar como medida de emergência, mas não sabemos se eles serão ou não contaminados. Se o grosso dessa lama vier e ficar depositado tanto na foz quanto nas praias, não sabemos o impacto que vai trazer para a biodiversidade”, disse Almeida.

Lama da Samarco Mineradora avança mar adentro 9Foto: Gabriela Biló/Estadão Conteúdo)
Lama da Samarco Mineradora avança mar adentro (Foto: Gabriela Biló/Estadão Conteúdo)

Indenização

Pescadores cadastrados na Federação das Colônias e Associações dos Pescadores e Aquicultores do Espírito Santo (Fecopes) entraram na Justiça com um pedido de liminar para que sejam mensalmente indenizados pela Samarco, cujos donos são a Vale e a anglo-australiana BHP Billiton.

Um audiência de conciliação foi agendada para o dia 2 de dezembro. Em nota, a Samarco informou que ainda não foi notificada da intimação citada.

Publicidade