Médicas da UPA de Biguaçu passarão 15 dias na África realizando trabalhos voluntários

Publicidade

Da Assessoria –  A Prefeitura de Biguaçu, através da Secretaria Municipal de Saúde, em parceria com a Associação Brasileira de Resgate e Amparo às Crianças e aos Moradores de Rua (Abraçar), estará cedendo duas médicas da Unidade de Pronto atendimento – UPA 24 Horas que passarão, no mês de fevereiro de 2018, 15 dias em Guiné-Bissau, no continente africano, realizando trabalhos voluntários contra a malária.

A associação surgiu há quatro anos e vem desenvolvendo trabalhos sociais desde 2013. Ela começou com apenas seis pessoas com a ideia de ajudar comunidades carentes e atualmente conta com mais de 70 funcionários, beneficiando quase 300 moradores em situação de rua, além de uma escolinha de futebol na comunidade Chico Mendes, que atende 56 crianças.

Continua após a publicidade

O objetivo do projeto é promover a inclusão social gerando oportunidades para todos os participantes tendo como pilares saúde, educação, cultura e esporte, resgatando valores e a construção de um futuro melhor, gerando oportunidades e dando as pessoas opção de escolha.

Médicas da UPA participarão de missão humanitária (Foto: Maike Z. Ferreira)

A entidade realiza mutirões de saúde, com a finalidade de proporcionar atendimento médico, (clinico geral e especialistas), nutrição e odontologia, criando acesso e conscientização contra todo o tipo de doença.

Convidada pelo Instituto Vilson Groh para liderar uma ação de saúde na África, a associação Abraçar criou o Programa de Combate à Malária, do qual participarão as médicas da UPA. Serão realizados plantões extras na unidade para suprir a falta das profissionais, com previsão de retorno para o dia 20 de fevereiro de 2018.

Foi tomado como tema desse projeto os cumprimentos Sawbona, que é usado em algumas regiões da África e tem seguinte significado: “eu te respeito, eu te valorizo, você é importante para mim” e em resposta é dito, Shikoba, que significa “eu existo para você”.

As médicas Julia Espíndola e Adriana Silveira estiveram reunidas para tratar de detalhes da viagem humanitária com o secretário de Saúde, Dr. Heron Felício Pereira, superintendente da pasta, Genivalda Ronconi e Bruno Becker, representante do projeto.

O secretário Dr. Heron enfatiza que “essa experiência para elas será única, pois poderão conviver com uma outra realidade fora de Biguaçu e do Brasil, ganhando assim mais experiência de vida, mostrando solidariedade e preocupação com o próximo, se engradecendo como cidadãs e profissionais de saúde”.

Publicidade