Milhares invadem as ruas na Inglaterra para comemorar fim de quase todas as restrições

Publicidade

Quando as casas noturnas de toda a Inglaterra abriram suas portas pela primeira vez em 16 meses e as pessoas se abraçaram nas pistas de dança lotadas até o amanhecer desta segunda-feira, 19, a nação que havia imposto um dos bloqueios mais rigorosos e longos do mundo eliminou quase todas as restrições legais às interações sociais.

Mas o “Dia da Liberdade”, marcado para esta segunda, é um momento repleto de riscos relacionados à covid-19. A partir de agora, o uso da máscara será uma “escolha pessoal” no país e o trabalho remoto não é mais obrigatório. O clima, no entanto, é de cautela.

Continua após a publicidade

Vários especialistas em saúde classificaram as novas aberturas como uma imprudência. Outros dizem que a decisão foi, sim, prudente, dado o menor número de hospitalizações e mortes.

A partir da meia-noite, as leis exigindo o uso de máscaras em lojas e outros ambientes internos caducaram, juntamente com o limite de capacidade em bares e restaurantes, e regras que limitam o número de pessoas que podem socializar juntas.

Johnson apenas pediu “prudência” e ignorou os apelos de um grupo de cientistas internacionais influentes que alertaram sobre o “risco de minar os esforços para controlar a pandemia não apenas no Reino Unido, mas em outros países”.

O Reino Unido é um dos países mais atingidos pela pandemia na Europa, com 128.700 mortos, e tem o maior número de infecções diárias no continente. O número de mortes é contido (cerca de 40 por dia), mas aumenta, assim como as hospitalizações.

Teste positivo

Apenas horas antes de as regras serem suspensas, o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, e o ministro das Finanças, Rishi Sunak, foram forçados a entrar em autoisolamento após o teste positivo do secretário de saúde do governo. A dupla, no entanto, havia dito originalmente que participaria de um programa piloto que lhe permitiria evitar a quarentena, mas Johnson mudou o discurso em poucas horas após uma furiosa reação do público.

Os números de casos continuam a aumentar, atingindo níveis vistos durante o pico anterior de contaminação pelo vírus no Reino Unido em janeiro – embora com mais da metade da população totalmente vacinada e uma cobertura particularmente abrangente entre pessoas mais velhas e mais vulneráveis, os números de mortes e hospitalizações foram uma fração dos números das ondas anteriores.

Nesta segunda, quando quase todas as últimas restrições foram retiradas, centenas de milhares de pessoas estavam passando por quarentenas de 10 dias como parte do programa de teste, rastreamento e isolamento do Serviço Nacional de Saúde, muitos deles motivados por um aplicativo oficial que automaticamente “pinta” os usuários que entraram em contato próximo com alguém que testou positivo para o vírus.

Mais de 500 mil pessoas foram “pintadas” na primeira semana de julho – aproximando-se de 1% da população da Inglaterra – e o aumento dos casos, já que é provável que só tenha empurrado o número para cima.

Variante

As infecções por coronavírus explodem impulsionadas pela variante Delta, altamente infecciosa, detectada pela primeira vez na Índia.

Houve mais de 53.969 novas infecções registradas no Reino Unido no sábado 17, quase o dobro do número de casos recentes nos Estados Unidos.

Johnson testou positivo para a covid-19 no início da pandemia e passou dias em uma UTI com oxigênio suplementar. Agora, ele está totalmente vacinado, mas sua necessidade de quarentena é, em parte, obra dele.

Mesmo que ele acabe com todos os “ditames legais”, como prometeu, para impor medidas de distanciamento social, seu governo continuará a usar o aplicativo de telefone celular isolado de teste.

Empregadores e outros temem que dentro de algumas semanas, milhões de pessoas na Inglaterra e no País de Gales possam ser afastadas do trabalho, mesmo que estejam totalmente vacinadas, como o primeiro-ministro, e não apresentem sintomas de infecção por conta da recomendação do aplicativo.

Fábricas, pubs, restaurantes e outras empresas estão relatando escassez de pessoal, porque aqueles que estão recebendo os alertas são aconselhados a ficar em quarentena em casa por até 10 dias.

As regras de autoquarentena estão em vigor por mais um mês. Algumas pessoas, cansadas, estão simplesmente deletando o aplicativo.

Nas escolas da Inglaterra, que ainda estão em funcionamento, mais de 800 mil alunos – ou 1 em cada 9 – foram afastados na semana passada por motivos relacionados ao vírus.

Em mensagem de vídeo gravada na casa de campo do primeiro-ministro em Chequers, Johnson pediu cautela mesmo quando disse que era hora de se afastar das regras do governo para uma nova era de responsabilidade pessoal. “Se não o fizermos agora, temos que nos perguntar, quando o faremos”, disse ele, acrescentando que seria um risco maior reabrir no inverno, quando o vírus se espalharia mais facilmente e os sistemas de saúde estariam sob maior pressão.

“Mas temos que fazer isso com cautela. Temos que lembrar que este vírus, infelizmente, ainda está por aí. Os casos estão aumentando – podemos ver a extrema contagiosidade da variante Delta”, disse.

Apesar de um programa de vacinação robusto, o governo resistiu a ligar o status de vacinação a restrições como as recentemente anunciadas na França.

A partir de agosto, qualquer pessoa naquele país sem um “passe de saúde” mostrando que foi vacinada ou que tenha testado negativo recentemente não será admitida em restaurantes, cafés ou cinemas, e não poderá viajar longas distâncias de trem.

Na Inglaterra, caberá às empresas definir suas próprias políticas e aos indivíduos decidir com que nível de risco eles se sentem confortáveis.

As máscaras não são mais exigidas por lei, embora o governo ainda recomende o seu uso em alguns espaços fechados. Não há limites para o tamanho das reuniões, permitindo que grandes casamentos e serviços fúnebres sejam retomados. Concertos, eventos esportivos e teatros podem voltar aos negócios como de costume – se assim o desejarem.

Ritmos diferentes

A Escócia permitiu que pubs e restaurantes reabrissem, mas os limites de reuniões ao ar livre permanecem, o retorno dos trabalhadores aos escritórios foi adiado e as coberturas para enfrentar os problemas ainda serão obrigatórias.

As restrições estão previstas para serem flexibilizadas na Irlanda do Norte em 26 de julho e no País de Gales em 7 de agosto.

Mas o público britânico tem crescido acostumado a mudanças repentinas na política pandêmica.

Mesmo depois que Johnson prometeu que, desta vez, a flexibilização das restrições seria “irreversível”, já se falava nos círculos governamentais sobre possíveis restrições no outono.

A sociedade britânica parece dividida quanto às restrições: alguns querem regras duras para continuar, pois temem que o vírus continue matando pessoas e isso sobrecarregue os hospitais, mas outros têm se irritado com as restrições mais onerosas da história em tempo de paz.

(COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS)

Publicidade