Neymar é o destaque de Brasil x Argentina

Publicidade

Gazeta Esportiva

As duas primeiras rodadas das eliminatórias para a Copa da Rússia deixaram clara a falta que Neymar faz à Seleção Brasileira. Com o camisa 10, o time canarinho é outro. E não é para menos. Contra a Argentina, nesta quinta-feira, o craque volta a vestir a camisa amarela em alta pela ótima fase que vive no Barcelona.

Continua após a publicidade

Na ausência de Messi, Neymar assumiu protagonismo no time catalão e deu show no último domingo, marcando um golaço digno de placa. Recebendo a bola da esquerda, deu um chapéu no marcador e finalizou antes de ela cair. O lindo lance agrada Dunga, que ri ao lembrar do gol. “Pensei: por que ele não faz comigo? Com os outros não adianta, tem que fazer na Seleção”, brinca o treinador.

Do grande momento nasce o otimismo do técnico, que volta a tê-lo à disposição. “Contar com os melhores jogadores é sempre bom, ainda mais tratando-se do Neymar, que vive ótima fase no Barcelona. Para nós é importante o retorno dele”, avalia Dunga, incluindo o jogador em uma lista seleta.

“O Messi se machucou recentemente, o Cristiano Ronaldo tem cobrança para repetir o que fez no ano passado, e o Neymar vem em crescimento constante no Barcelona. Ele tem correspondido à expectativa e vive um bom momento”, considera o treinador.

Suspenso desde a Copa América, Neymar volta a disputar um jogo oficial pela Seleção Brasileira no Monumental de Núñez, em visita à Argentina, nesta quinta. Apesar de toda qualidade do craque, Dunga se nega a adiantar a escalação do atacante como titular.

“É Neymar e mais 22”, sentencia, quando perguntado se o time canarinho será composto pelo craque ‘e mais dez’. “Senão você não consegue uma classificação (à Copa). Se fosse neste aspecto, nos dois primeiros jogos como ficaríamos?”, questiona. A Seleção perdeu do Chile e venceu a Venezuela nas partidas às quais ele se refere.

O técnico se nega a tratar sobre suposta ‘Neymardependência’, mas a relação dos jogadores com o camisa 10 é um pouco diferente. Não chega a ser idolatria, mas de prestígio único. “A gente tenta se acertar conversando para que ele resolva ali na frente, e os demais jogadores atuando em função dele para ajudá-lo”, revela Elias, falando da importância do craque.

Publicidade