‘Nossa administração irá trabalhar para todos’, diz prefeito eleito de Biguaçu

Publicidade

O prefeito eleito de Biguaçu, Salmir da Silva (MDB), disse nesta segunda-feira (16), em entrevista ao Biguá News, que a administração municipal a partir do dia 1º de janeiro irá desenvolver ações e políticas públicas voltadas para todos os biguaçuenses. Ele foi eleito neste domingo com expressiva votação frente aos demais concorrentes, somando 14.063 votos, cerca de 5,4 mil a mais do que o segundo colocado, Vilson Norberto Alves (PP).

Salmir da Silva, prefeito eleito de Biguaçu (Foto: Biguá News)

“A população de Biguaçu pode esperar um governo trabalhando para todos de forma igualitária de acordo com as condições que tivermos, independente de credo, raça, cor ou bandeira partidária. Na nossa administração, junto com a equipe que vamos montar, não existirá espaço para qualquer tipo de revanchismo político”, comentou Salmir.

Continua após a publicidade

Leia também

Salmir é eleito prefeito de Biguaçu com mais de 5 mil votos de vantagem

Confira quem são os 15 vereadores eleitos em Biguaçu; renovação de 66%

Geraldo é reeleito prefeito de Antônio Carlos, veja os vereadores

Marquinho é eleito em Governador Celso Ramos; veja os vereadores

Salmir disse que o sentimento de mudança foi captado durante a campanha, com os cidadãos pedindo uma nova administração, com mais participação popular. “Durante as visitas que eu e o Alexandre fizemos, a população nos pediu um novo estilo de governo. Creio que o povo entendeu que a nossa proposta era a que mais se encaixava nesse pedido, tanto que o resultado da eleição foi uma surpresa para todos nós”, disse Silva.

A campanha de Salmir e Alexandre deu ênfase à frase “devolver o poder ao povo”. A coligação MDB, Podemos, PDT e PSDB foi batizada de “A Força do Povo”. O plano de governo apresentado à população pontuou que haverá o resgate do “orçamento participativo”, que foi implantado na gestão do ex-prefeito emedebista Vilmar Astrogildo Tuta de Souza. Por meio desse mecanismo, os moradores de cada bairro decidiam quais obras ou ações seriam feitas.

Relação com o Legislativo

A coligação de Salmir e Alexandre elegeu 7 dos 15 vereadores, 4 do MDB (Sandro, Lucas Manequinha, Maneca e Douglas Fernandes) e 3 do Podemos (Gato, Crystian e Israel). O prefeito eleito precisará buscar apoio de pelo menos mais um vereador para conseguir aprovar leis logo no começo da gestão.

“Atualmente eu exerço o cargo de vereador e conheço bem o Legislativo, e também conheço bem a grande maioria dos vereadores que assumirão no dia 1º de janeiro também. Creio que a gente não terá dificuldades nesse sentido, até porque, pelo perfil que a Câmara apresentará a partir de janeiro do ano que vem, será um perfil mais voltado para o anseio da população. A renovação [na Câmara] foi considerável, e isso faz com que, quem entre, tenha o objetivo de trazer soluções para os problemas que o município apresenta. Então eu acredito que a gente não terá dificuldades em aprovar projetos que beneficiem a população, mas também entendo que o Legislativo não pode ser passivo. A gente quer um Legislativo que analise, que tenha todo o critério e entendimento para que seja feito muito bem o trabalho dos vereadores, e da mesma forma nos apoiando para que a gente faça muito bem o nosso trabalho”, concluiu o prefeito eleito.

Publicidade