Obama manda libertar analista condenada por contribuir com WikiLeaks

Publicidade

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, determinou a libertação da analista do Exército Chesea Manning, que havia sido condenada a 35 anos de prisão por revelar documentos secretos diplomáticos e militares ao site WikiLeaks. Chelsea Manning é uma militar transexual, que está presa em Fort Leavenworth, no estado de Kansas. A sentença dela foi a maior punição já dada nos Estados Unidos a um condenado por vazamento de informações.

Cheasea, que antes era conhecida pelo nome de Bradley Manning, solicitou ao presidente Obama que, antes do fim de seu governo, reduzisse a pena. Obama determinou que ela seja libertada em maio. A militar já tentou suicídio por duas vezes e já fez greve de fome na prisão. Cheasea é considerada uma heroína pelos setores norte-americanos que se opõem às guerras. Ela revelou práticas do governo nas guerras do Iraque e do Afeganistão. Por isso, a Justiça americana a condenou por traição.

Continua após a publicidade
Obama, no discurso de despedida do governo dos EUA (Foto: KAMIL KRZACZYNSKI/EPA/LUSA)

Na mesma decisão que beneficiou Chelsea Manning, o presidente também concedeu a comutação da pena a 208 pessoas e indultos a 64 presos, em um de seus últimos atos antes de deixar o governo na próxima sexta-feira (20).

Publicidade