Polícia cumpre mandados contra família que deu golpe de R$ 1,2 milhão em banco

Publicidade

A Polícia Civil de Santa Catarina, através da Delegacia de Defraudações da Diretoria Estadual de Investigações Criminais (DEIC/PCSC), em continuidade às investigações em relação a uma fraude contra o SICOOB, cumpriu mandados de busca e apreensão e quatro mandados de prisão preventiva expedidos pela Justiça contra investigados – um casal e seus dois filhos. Houve o apoio da Delegacia de Investigação aos Crimes contra a Fazenda Pública (DFAZ/DEIC/PCSC), da Delegacia de Polícia de Garopaba e da Delegacia de Polícia de Antônio Carlos. Os nomes dos envolvidos não foram informados.

O SICOOB Advocacia (Cooperativa de Crédito Mútuo dos Advogados de Santa Catarina), apresentou denúncia na Delegacia de Defraudações informando prejuízo aproximado de R$ 1,2 milhão em razão da liberação deste valor para uma pessoa jurídica, após o depósito de um cheque fraudado.

Continua após a publicidade

A empresa foi aceita na SICOOB Advocacia em razão do cônjuge da pessoa jurídica ser advogado e integrar a cooperativa. No decorrer das investigações foi comprovado o envolvimento da família no golpe (esposa, marido e dois filhos), os quais após a liberação do valor pulverizaram este em diversas contas particulares, de terceiros e saques, caracterizando o crime de lavagem de dinheiro.

Considerando que os investigados se recusaram a ser interrogados e se evadiram, estando em local incerto e não sabido, foi representado pela prisão preventiva, sendo estas prisões cumpridas na quinta-feira (30). Durante o cumprimento das buscas e prisões, foi encontrado um revólver calibre 38, com 12 projéteis, com a numeração raspada, sendo ainda o investigado autuado pelo crime de posse de arma de uso restrito.

A Polícia Civil ainda conseguiu recuperar aproximadamente R$ 920 mil, valor que se encontra bloqueado judicialmente e ao final do processo poderá ser devolvido à vítima.

O inquérito policial foi finalizado e encaminhado à Justiça com o indiciamento dos quatro investigados pelos crimes de estelionato, associação criminosa e lavagem de dinheiro.

Publicidade