Prefeitos querem que Estado amplie leitos de UTI na Grande Florianópolis

Publicidade

Prefeitos das quatro principais cidades da Grande Florianópolis se reuniram, nesta quarta-feira (8), para definir ações em conjunto visando combater o aumento no contágio de Covid-19 na região. Uma das propostas das cidades de Biguaçu, Florianópolis, São José e Palhoça é ajudar o Governo do Estado – que é o responsável pelo atendimento hospitalar e regulação de leitos – na contratação de novos leitos de UTIs.

Hospital de Biguaçu pode receber UTI; estrutura já conta com leitos para casos de média complexidade de Covid-19 (Foto Paulo Rodrigo Ferreira – DICOM PMB)

Mesmo não sendo responsáveis pela implantação de novas UTIs, as prefeituras estão dispostas a entrar com metade do valor para que o Estado abra novos leitos, mas exigem que eles sejam utilizados somente para moradores da região. Além da contratação, o município de Biguaçu também colocou à disposição a estrutura do hospital da cidade para que seja realizada a ampliação de leitos.

Continua após a publicidade

Leia também:

Mais duas pessoas morrem e total de óbitos por Covid vai a 7 em Biguaçu

Prefeito libera médicos de Biguaçu para receitar cloroquina no início da Covid

Com a união das cidades, as vigilâncias em saúde vão trabalhar para adoção de protocolos iguais, como o de monitoramento dos casos confirmados por Covid. Os prefeitos observam uma dificuldade em conseguir manter todos os suspeitos e confirmados nas suas residências. Um sistema inteligente de telefonia pode auxiliar no serviço. Além disso, os prefeitos pedem ao Estado mais agilidade no resultado dos exames do Lacen, o que tem dificultado a possibilidade de saber a real situação da região.

Notícias no WhatsApp? Clique aqui: https://chat.whatsapp.com/LcIjuTus86K53EQX4uT80w

Sobre possíveis flexibilizações, os municípios não realizarão novas enquanto os casos se mantiverem subindo. Os órgãos de saúde de cada prefeitura vão se reunir para definir, nesta semana, o funcionamento dos serviços na região, mas pedem uma participação mais efetiva do Estado no sentido de determinar o que pode e o que não pode abrir, já que é o responsável pela regulação de leitos hospitalares e sabe qual a real capacidade de atendimento.

As novas definições aconteceram em duas reuniões nesta quarta-feira: uma às 9h com o secretário de Estado de Saúde, André Mota, e os prefeitos Ramon Wollinger, Gean Loureiro, Adeliana Dal Pont, Camilo Martins e demais técnicos de saúde; e outra às 14h30 somente com os prefeitos e seus secretários. Uma nova reunião está marcada para sexta-feira de manhã com o secretário estadual para buscar novas definições em relação à ampliação dos leitos.

As informações são da assessoria.

Publicidade