Prefeitura de Biguaçu promove Semana de Prevenção à AIDS e ISTs

Publicidade

Da Assessoria – Em alusão ao Dezembro Vermelho e ao Dia Mundial de Luta Contra a AIDS, a Prefeitura de Biguaçu, por meio da Secretaria Municipal de Saúde, promove a Semana de Prevenção ao HIV e Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs). De 29 de novembro a 4 de dezembro, será realizado um mutirão de testes rápidos gratuitos de HIV, Sífilis, Hepatites B e C no Centro de Testagem e Aconselhamento (CTA), das 8h às 16h. No sábado (4), além do CTA, os exames estarão sendo também oferecidos nas Unidades Básicas de Saúde Prado e Marco Antônio, no mesmo horário, das 8h às 16h.

Os testes rápidos são realizados a partir da coleta de uma pequena quantidade de sangue, retirada da ponta do dedo e os resultados saem em um período de 15 a 30 minutos. Poderão participar do mutirão pessoas com idade a partir dos 18 anos e será necessário apresentar documento com foto.

O sigilo dos resultados é garantido. Caso dê positivo, o paciente é encaminhado para tratamento e acompanhamento do caso. 

Continua após a publicidade

O diagnóstico precoce e a prevenção, com uso do preservativo, são as maiores armas na luta contra a AIDS e demais ISTs. Em Santa Catarina, conforme levantamento da Secretaria de Estado da Saúde, 75% dos casos de infecção por HIV são de homens, com idade de 15 a 34 anos. 


O CTA fica localizado anexo à Policlínica Municipal, na Rua Vereador Emídio Amorim Veríssimo, 114, no bairro Praia João Rosa. A UBS Prado está situada na Rua 13 de Maio, 307, e a UBS Marco Antônio na Rua Homero de Miranda Gomes, 1261, no Bom Viver.

Saiba mais*

O Dezembro Vermelho é uma campanha nacional, instituída pela Lei nº 13.504/2017, que marca uma grande mobilização na luta contra AIDS e outras ISTs, chamando a atenção para a prevenção, a assistência e a proteção dos direitos das pessoas infectadas com o HIV. Já o Dia Internacional de Luta Contra a AIDS, comemorado em 1º de dezembro em todo o mundo, foi estabelecido pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 1987. 

A AIDS é a doença causada pela infecção do Vírus da Imunodeficiência Humana (da sigla em inglês HIV). Esse vírus, do tipo retrovírus, ataca o sistema imunológico, que é o responsável por defender o organismo de doenças. As células mais atingidas são os linfócitos TCD4+. O vírus é capaz de alterar o DNA dessa célula e fazer cópias de si mesmo. Depois de se multiplicar, rompe os linfócitos em busca de outros para continuar a infecção.

Os pacientes soropositivos, que têm ou não AIDS, podem transmitir o vírus a outras pessoas pelas relações sexuais desprotegidas, pelo compartilhamento de seringas contaminadas ou de mãe para filho durante a gravidez e a amamentação, quando não são tomadas as devidas medidas de prevenção. Por isso, é sempre importante fazer o teste e se proteger em todas as situações.

Todas as pessoas diagnosticadas com HIV têm direito a iniciar o tratamento com os medicamentos antirretrovirais imediatamente, e, assim, poupar o seu sistema imunológico. Esses medicamentos (coquetel) impedem que o vírus se replique dentro das células TCD4+ e evitam, assim, que a imunidade caia e que a AIDS apareça.

As Infecções Sexualmente Transmissíveis são causadas por vírus, bactérias ou outros microrganismos. São transmitidas, principalmente, por meio do contato sexual (oral, vaginal ou anal) sem o uso de preservativo masculino ou feminino, com uma pessoa que esteja infectada.

De maneira menos comum, as ISTs também podem ser transmitidas por meio não sexual, pelo contato de mucosas ou pele não íntegra com secreções corporais contaminadas.

A transmissão de uma IST pode acontecer, ainda, da mãe para a criança durante a gestação, o parto ou a amamentação. O tratamento das pessoas com IST melhora a qualidade de vida e interrompe a cadeia de transmissão dessas infecções. O atendimento e o tratamento das ISTs e do HIV/AIDS são gratuitos nos serviços do Sistema Único de Saúde (SUS).

O termo Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs) passou a ser adotado em substituição à expressão Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs), porque destaca a possibilidade de uma pessoa ter e transmitir uma infecção, mesmo sem sinais e sintomas.

*Com informações do Ministério da Saúde

Publicidade