Protesto em Florianópolis tem conflito entre Polícia MIlitar e manifestantes

Publicidade

G1 – Manifestantes contrários ao governo de Michel Temer, que assumiu a presidência após o impeachment de Dilma Rousseff, realizam nesta sexta-feira (2) um ato em Florianópolis. O protesto era pacífico até perto das 20h30, quando começaram conflitos entre manifestantes e policiais militares.

Às 20h35, o grupo subia a Avenida Rio Branco e descia em direção à avenida Mauro Ramos quando foram contidos pelos policais. Houve confusão e policiais fizeram disparos de efeito moral, e também utilizaram bombas e spray de pimenta na esquina com a Rua Crispim Mira.

Continua após a publicidade

Os bombeiros foram acionados na sequência por um principio de incêndio em um posto de gasolina, entre o local onde estavam os manifestantes e a Polícia Miltar.

Manifestantes queimaram lixeiras em protesto em Florianópolis nesta sexta-feira (Foto: G1)
Manifestantes queimaram lixeiras em protesto em Florianópolis nesta sexta-feira (Foto: G1)

Às 20h40, a PM fez uma barreira na Rua Crispim Mira com o choque e cavalaria para que manifestantes não entrassem na Avenida Mauro Ramos e seguissem para a Avenida Beira-Mar Norte. Na mesma rua, manifestantes botaram fogo em lixeiras e fizeram uma barricada.

Pouco depois das 21h, manifestantes começaram a recuar. A Polícia Militar fez vários disparos. Cavalaria, Choque, Batalhão de Operações Especiais (Bope) estavam no local.

Às 21h30, a manifestação já estava dispersa em pequenos grupos e a PM avançava pelo Centro. A reportagem da CBN Diário relatou que havia forte cheiro de gás de pimenta no local.

A maioria dos manifestantes voltava caminhando pelo Centro em direção ao Terminal de Intergração do Centro (Ticen). Por volta das 22h, o protesto terminou. No bairro, houve registro de vandalismo na Rua Felipe Schmidt. Vidros de lojas e bancos foram quebrados no Centro.

Publicidade