Revista afirma que Delcídio citou Lula e Dilma em delação premiada na Lava Jato

Publicidade

A presidente Dilma Rousseff tentou interferir na Operação Lava Jato, segundo delação do senador Delcídio do Amaral (PT-MS) publicada pela Isto É. A edição da revista foi antecipada para esta quinta-feira (3), e o conteúdo envolvendo a operação da Polícia Federal foi adiantado à Band pelo jornalista e também colunista da revista Ricardo Boechat.

Segundo a delação de Delcídio publicada pela Isto É, Dilma conversou com auxiliares e nomeou ministros para tribunais superiores – principalmente o STJ (Superior Tribunal de Justiça) – favoráveis às teses das defesas de acusados, em uma tentativa de ajudar empreiteiras e políticos alvos da força-tarefa.

Continua após a publicidade

Delcídio foi preso na Operação Lava Jato e solto há menos de um mês, mas antes prestou depoimento a Polícia Federal.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula Silva também foi citado na delação antecipada pela Isto É. De acordo Delcídio, Lula foi o responsável por marcar uma conversa entre o senador e o filho de Nestor Cerveró, Bernardo.

A reunião foi gravada e gerou a prisão do petista, que prometeu influenciar o STF (Supremo Tribunal Federal) e até ventilou que Cerveró poderia fugir do país.

Delcídio do Amaral chegou a dizer publicamente para outros senadores que não tinha feito qualquer acusação no depoimento à PF.

Plano de fuga

Gravações de reuniões mostraram Bernardo Cerveró, Edson Ribeiro e Delcídio mencionando tentativas de influenciar decisões dos ministros do STJ para interferir no julgamento do habeas corpus do ex-diretor da Petrobras, para anular depoimentos de delação premiada, além de um plano de fuga.

Em outro trecho, Delcídio do Amaral discutia o suposto plano de fuga de Nestor Cerveró. “Hoje eu falo, por que eu acho que o foco, o seguinte, tirar, agora a hora que ele sair tem que ir embora mesmo”.

Em um desses encontros, realizado em um hotel em Brasília no dia 4 de novembro de 2015, teria sido discutida a possibilidade de uso de habeas corpus para que Nestor Cerveró fosse colocado em liberdade. Nesse mesmo encontro, os participantes teriam tratado também da possibilidade de fuga de Cerveró para o Paraguai.

De acordo com a delação de Delcídio, Lula teria sido o mentor desses encontros.

A informação é da TV Band em conjunto com a Band News FM

Publicidade