Sindicato convoca assembleia com ‘pauta bomba’

Publicidade

Da Redação / Alexandre Alves

O Sindicato dos Trabalhadores da Prefeitura Municipal de Biguaçu (Sintramubi) está convocando seus filiados para assembleia geral, na data de 6 de abril, a partir das 8h30, na Praça Nereu Ramos, para debater uma extensa pauta de reivindicações junto à administração do município. A principal delas é um reajuste de 8,5% de perdas inflacionárias que, segundo o presidente do Sintramubi, Jorge Eduardo Silva, não foi repassado entre novembro de 2015 a outubro de 2016. “Estamos com um ano de data-base atrasado”, comentou com a reportagem do Biguá News.

Continua após a publicidade

Outro item da pauta é o pedido de plano de saúde para os servidores municipais. Jorge pontua que a maioria dos trabalhadores não conseguem contratar um plano particular, pois os salários que ganham não são suficientes para isso. “Quem recebe salário baixo, de R$ 1.022, por exemplo, não tem como contratar (…) É um pedido de anos, sabemos que temos que participar com algum valor, portanto que seja de forma que todos possam ser contemplados”, comentou Silva.

Outros pontos que mexem com o caixa da Prefeitura de Biguaçu são o reajuste de 40% no vale-alimentação; atualização dos adicionais de periculosidade e insalubridade;  revisão do plano de cargos e salários, incluindo progressão vertical para servidores com ensino médio e fundamental; redução da jornada de trabalho de 40 para 30 horas semanais para o quadro civil, mas sem perda salarial; e correção do pagamento do percentual de Ideb.

Também consta da pauta o pedido de liberação de mais um servidor público para atuar na direção do Sintramubi [diretores ganham salário do município, mas dão expediente no sindicato]; eleições para diretores de escolas, unidades de saúde e demais secretarias; valorização e reconhecimento das auxiliares de sala como profissionais integrantes no quadro do magistério; responsabilidade técnica dos arquitetos, engenheiros, farmacêuticos e demais profissionais; direito de auxiliares em todas as turmas da educação infantil; jornada de trabalho dos cargos de vigia de 12/60; e segurança e condições de trabalho para os profissionais da saúde.

Ainda pautado outro tema “espinhoso”, que é o debate sobre a retomada da gestão dos postos de saúde do Instituto Saúde e Vida (Isev) para serem geridos pelo próprio município, com servidores concursados para a área. “Sabe-se que uma OS tem seus benefícios, mas o Isev viola diversos direitos de quem trabalha”, argumenta Jorge.

Outro lado

A Prefeitura de Biguaçu, por meio do secretário de Administração, Daniel César da Luz, informou ao Biguá News que apresentará uma resposta oficial às reivindicações do Sintramubi. “Havíamos oferecido a perda inflacionária de 2016 e reajuste do vale-alimentação, mas o sindicato não aceitou”, argumentou o secretário.

Veja a pauta da assembleia convocada pelo sindicato:

 

Publicidade