Audiência entre BRF e sindicato para rever demissão de 571 funcionários termina sem acordo

Publicidade

Terminou sem acordo a audiência preliminar realizada na última sexta-feira (9), na 1ª Vara do Trabalho de Chapecó, entre representantes do frigorífico BRF e do Sindicato dos Trabalhadores em Indústrias de Carnes (Sitracarnes) para renegociar a saída de 571 funcionários da empresa, demitidos em julho. Agora, as partes têm até o dia cinco de novembro para apresentar documentos e novas propostas. Caso não haja acordo, caberá ao juiz da unidade decidir sobre a reintegração dos trabalhadores, informa a assessoria do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) da 12ª Região.

Foto: Assessoria do Sitracarnes
Foto: Assessoria do Sitracarnes

A ação começou no mês passado, quando o Ministério Público do Trabalho (MPT) denunciou a decisão da empresa em demitir os funcionários sem consultar o Sindicato, como prevê a jurisprudência da Justiça do Trabalho. O juiz Carlos Fiorino Carneiro declarou a demissão como abusiva, mas até o momento não determinou a nulidade das demissões, o pagamento de salários e a reintegração dos funcionários demitidos, como pede o MPT.

Continua após a publicidade

Na tentativa de conciliação, a BRF ofereceu prioridade de recontratação dos antigos funcionários quando a empresa abrir novas vagas. A proposta, no entanto, não foi aceita pelos representantes dos trabalhadores, que exigem a reintegração dos funcionários e o pagamento dos salários desde a dispensa .

Turnover

Segundo a BRF, as demissões ocorreram em razão da realidade econômica do país e de ajustes necessários de ordem sanitária, e estariam dentro da taxa média de rotatividade da companhia (turnover). No entanto, ao consultar os dados da empresa junto ao Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), o juiz da Vara de Chapecó constatou que a variação de vagas no mês de julho ficou bem acima da média histórica, alcançando quase 10% do total de funcionários da unidade.

A informação é do TRT12.

Publicidade