Calor do fogão à lenha vai gerar água quente a moradores de Santa Catarina

Publicidade

A nova etapa do Programa Banho de Energia, que proporciona a instalação de sistemas para aproveitamento do calor gerado por fogões à lenha para aquecimento de água em moradias rurais da Serra catarinense, foi lançada na manhã desta segunda-feira, 5, em Lages. O ato contou com a presença do governador Raimundo Colombo e do presidente da Celesc, Cleverson Siewert. Com investimentos de R$ 7,2 milhões do Programa de Eficiência Energética Celesc/Aneel, serão instalados mil sistemas recuperadores de calor na região.

“Essa é uma iniciativa que traz um grande ganho para a sociedade, porque, ao mesmo tempo, melhora as condições das famílias contempladas, que passam a ter mais conforto em suas casas, e gera economia no consumo de energia elétrica, o que significa uma importante redução no valor da conta de luz. É mais uma medida do Governo do Estado no sentido de proteger as pessoas”, destacou Colombo.

Continua após a publicidade

O presidente da Celesc, Cleverson Siewert, lembrou que o projeto Banho de Energia integra as ações de sustentabilidade da companhia. “Todos os nossos projetos na área de sustentabilidade permitem que a Celesc busque uma eficiência energética cada vez maior, fazendo sempre mais e melhor no atendimento da população catarinense e consolidando-se como uma empresa que, além de fornecer energia, promove a cidadania e protege o meio ambiente”, afirmou.

Esta nova etapa do Banho de Energia, que tem prazo de um ano para execução, beneficia residências de comunidades empobrecidas nos municípios de Bom Jardim da Serra (125 unidades), Cerro Negro (40), Lages (100), Painel (85), São Joaquim (330), Urubici (230) e Urupema (90). Foram priorizadas residências em comunidades localizadas nas regiões mais altas de cada município. Os beneficiados foram distribuídos proporcionalmente ao número de unidades consumidoras rurais em cada cidade.

Foto: Julio Cavalheiro/Secom
Foto: Julio Cavalheiro/Secom

Como funciona

O calor gerado pela chaminé do fogão à lenha aquece um reservatório de água. A água quente é canalizada para torneiras e chuveiros, permitindo economia de até 30% na conta de luz. No equipamento, criado pelo catarinense José Alcino Alano, é aproveitado o calor que seria desperdiçado na chaminé, tornando o processo mais eficiente do que a tradicional serpentina, que não retira calor da câmara de combustão. Nesta edição, será usado um sistema que também reduz o uso de lenha em 40%.

A invenção é adotada desde 2012 pela Assessoria de Responsabilidade Social da Celesc como iniciativa para promover o uso eficiente da energia e a qualidade de vida. Desde então, o sistema foi implantado com o apoio de extensionistas da Epagri em 200 residências nos municípios de Caçador, Videira, Canoinhas, Mafra, São Joaquim e Lages.

Alexandre Lenzi
Assessoria de Imprensa

Publicidade