Centrais elétricas impulsionam arrecadação dos municípios em Santa Catarina

Publicidade

Dados da Secretaria de Estado da Fazenda de Santa Catarina (Sefaz/SC) mostram que as geradoras de energia elétrica impactam positivamente na arrecadação de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) dos municípios. O parque eólico de Bom Jardim da Serra, por exemplo, responde por 60% do movimento econômico da cidade. Em Major Gercino, na Grande Florianópolis, a geração de energia representa 62% do valor adicionado do município.

O movimento econômico, também conhecido como valor adicionado, é fator preponderante para a definição do índice de participação dos municípios na arrecadação do ICMS. Atualmente, 88 municípios catarinenses contam com usinas de energia. Esse número tende a crescer. Nesta quarta-feira, 24, o Governo do Estado lança o programa “Energia+SC” para estimular novos empreendimentos de energias renováveis.

Continua após a publicidade

“Em tempos de queda na arrecadação, uma usina de energia pode ser um alívio no caixa das prefeituras, especialmente em municípios menores que têm dificuldades de atrair outros empreendimentos”, destaca o secretário da Fazenda, Antonio Gavazzoni.

Em Água Doce (Meio Oeste), a geração de energia responde por 33% do VA do município, em Arvoredo (Oeste), 26%, em Santa Rosa de Lima (Sul), 23%, em Passos Maia (Oeste), 21%, em Ibirama (Vale), 14%.

PCH São Sebastião, em Major Gercino, na Grande Florianópolis: geração de impostos para o município
PCH São Sebastião, em Major Gercino, na Grande Florianópolis: geração de impostos para o município
Publicidade