Deputado diz que projeto do governador para enxugar SRDs é ‘meia-boca’

Publicidade

O deputado estadual Valmir Comin (PP) disse nesta quinta-feira, durante sessão da Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc), que  considera “meia-boca” o projeto enviado pelo Poder Executivo, que transforma as Secretarias de Desenvolvimento Regional (SDRs) em Agências de Desenvolvimento Regional (ADRs). O Projeto de Lei (PL 260/2015) extingue 108 dos 455 cargos comissionados e 136 das 468 funções de chefia ocupadas por servidores de carreira, além de acabar com unidade da Grande Florianópolis, será votada no dia 17 pelos parlamentares.

“Duvido que o governador queria esse modelo de projeto. Gostaria, sim, da redução ou até da extinção das SDRs. Teria a aquiescência da maioria da população. Mas, pela conjuntura política, talvez fique impossibilitado de promover essa ação”, disse.

Continua após a publicidade

O parlamentar ressaltou que o país e o estado precisam tomar medidas para enxugar a máquina pública. “Números mostram que são despendidos em torno de R$ 250 milhões ao ano com as SDRs. Entendo a coerência dos companheiros do PMDB, é legítima a defesa. Porém, não se trata de coerência, trata-se de responsabilidade social pelo momento singular que estamos vivendo.”

Para Leonel Pavan (PSDB), o projeto “deveria ser mais radical”. O ex-governador defendeu a ideia original de Luiz Henrique da Silveira, que indicava uma regional para cada associação de municípios. “Deveríamos partir para esse caminho”, afirmou.

A previsão do Poder Legislativo é votar o texto no dia 17 de novembro.

Valmir Comin: 'Gostaria, sim, da redução ou até da extinção das SDRs'
Valmir Comin: ‘Gostaria, sim, da redução ou até da extinção das SDRs’

Com Agência AL

Publicidade