Estado Islâmico reivindica ataques em Paris que mataram mais de 120

Publicidade

O presidente francês, François Hollande, afirmou na manhã deste sábado (14) que o Estado Islâmico é o culpado pelo “ato de guerra” que matou 127 pessoas e feriu mais de 180 em Paris na noite de sexta-feira. “É um ato de guerra que foi cometido por um exército terrorista, um exército jihadista, o Daesh, contra a França”, disse Hollande, usando a sigla em árabe para o Estado Islâmico. “Foi preparado, organizado e planejado no exterior, com cumplicidade de dentro da França.”

Hollande prometeu uma resposta “implacável” aos atos de terror e decretou três dias de luto nacional.

Continua após a publicidade

Minutos mais tarde, o EI assumiu a autoria dos ataques. Em nota, o EI afirmou que a localização dos ataques foi cuidadosamente estudada e que foram empregados oito “combatentes” vestindo coletes suicidas e levando armas automáticas. “Alá (…) lançou o terror contra seu coração”, diz a grupo, que chama Paris de “a capital da abominação e da perversão”.”Paris tremeu sob seus pés [dos terroristas].”

A nota termina com um alerta de que “este não é nada mais do que o começo de uma tempestade e uma advertência para aqueles que queiram meditar e tirar suas conclusões”.

No Twitter, o Al-Hayat Media Centre, ligado ao Estado Islâmico, havia postado um vídeo em que o grupo jihadista pedia ataques contra a França. O vídeo não tem data e sua veracidade não pôde ainda ser confirmada. Na gravação, um militante diz que a França “não viverá em paz até que os bombardeios continuem”. “Vocês terão medo até de ir ao mercado”, diz ainda.

Foto: Pascal Rossignol/Reuters
Foto: Pascal Rossignol/Reuters
Publicidade