Governo do Estado leiloará dezenas de imóveis este ano

Publicidade

*Tayana Cardoso de Oliveira

A Secretaria de Estado da Administração e as equipes das Agências de Desenvolvimento Regional (ADRs) iniciaram a revisão de uso dos imóveis do Estado.  “Vamos rever a ocupação dos imóveis públicos para racionalizar seu uso e assim reduzir ao máximo o gasto com espaços alugados para órgãos do executivo”, anunciou o secretário João Matos em reunião realizada nesta segunda-feira (18).

Continua após a publicidade

Na próxima quarta-feira, dia 20, as demais ADRs participarão de videoconferência sobre o tema.
“Os espaços disponíveis sem serventia ao Estado poderão ser alienados [vendidos]”, informou João Matos. “Assim serão gerados recursos para reformas de prédios públicos em uso e para construções mais adequadas, além de atender outras prioridades do executivo”, esclareceu o secretário.

Já o diretor de Gestão Patrimonial, Túlio Tavares dos Santos, destacou que a participação das ADRs é fundamental para ter informações precisas acerca da realidade e da necessidade de cada regional na ocupação das instalações disponíveis, assim como para identificar os imóveis que poderão ser disponibilizados para leilão ou concorrência pública.

“Juntos podemos criar e propor soluções para superar os desafios previstos para a economia. Este ano exigirá de todos nós esforço e criatividade para reduzir as despesas e ampliar a receita”, anunciou o secretário para as equipes regionais. Os gerentes Sérgio Steiner, de Bens Imóveis, e Edson José Mathias, de Bens Móveis, participaram da reunião.

Leilão de Imóveis

No dia 25 de fevereiro será realizado o primeiro leilão de imóveis do Governo do Estado neste ano. Serão disponibilizados 29 bens, localizados em nove cidades catarinenses, que poderão ser arrematados pelo melhor lance. A expectativa é de arrecadar cerca de R$ 13 milhões. Técnicos da SEA já estudam a possibilidade de realizar ainda neste ano a primeira concorrência pública de bens imóveis adquiridos ou doados ao Estado, que necessitam de autorização legislativa, e um segundo leilão de imóveis.

*Tayana Cardoso de Oliveira é assessora de imprensa na Secom

Publicidade