Justiça bloqueia bens de médico, ex-vice-prefeito e ex-secretário de Saúde de município catarinense

Publicidade

A Justiça determinou o bloqueio judicial dos bens de médico que prestou serviços em Entre Rios (Oeste Catarinense) no ano de 2015, do ex-vice-prefeito e do ex-secretário municipal de Saúde daquele município. Na ação com o pedido de bloqueio de bens, o Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) demonstra que o médico, com a conivência do ex-secretário, não cumpriu a carga horária para qual foi contratado.

Na ação, o promotor de Justiça Diego Roberto Barbiero relata que, em fevereiro de 2015, o Município de Entre Rios fez licitação para contratação de serviços médicos de clínico geral, 40 horas por semanais, no Posto de Saúde Central e na Comunidade Linha Aparecida, na qual houve intensa disputa entre dois concorrentes e, ao final, o valor inicial da licitação, de R$ 215,5 mil, foi reduzido para R$ 176 mil (valor a ser dividido em dez parcelas mensais, de março a dezembro).

Continua após a publicidade

Porém, no mesmo dia da homologação da licitação, antes mesmo da assinatura do contrato (que se deu um dia depois), houve solicitação de aditivo, assinada pelo secretário de Saúde, restabelecendo o valor para patamar superior a R$ 200 mil, com o argumento de que haveria o acréscimo de 10 horas semanais para a realização de pequenas cirurgias – apesar de o Posto de Saúde do Município não contar com equipamentos, insumos e nem mesmo alvará para tal. Uma semana depois, o aditivo foi assinado pelo médico e pelo vice-prefeito.

O valor foi integralmente recebido pelo médico durante a execução do contrato, até dezembro de 2015. No entanto, conforme apurou o Ministério Público, não houve cumprimento da carga horária contratada, pois a investigação demonstrou que o médico possuía vínculo laboral com mais quatro instituições situadas em outros municípios do Oeste catarinense.

Assim, nos meses de maio e junho, por exemplo, se trabalhasse em todos os serviços, ele teria que fazer 166 horas semanais. “Sete dias têm 168 horas, o que lhe permitiria dormir e realizar afazeres pessoais apenas duas horas por semana. Por certo, em algum lugar não cumpriu sua jornada. E esse lugar foi Entre Rios”, conclui o Promotor de Justiça.

As investigações realizadas pela 2ª Promotoria de Justiça, com auxílio do Grupo de Atuação Especial de Combate as Organizações Criminosas (GAECO), demonstraram a presença do médico em outras cidades em pelo menos 84 dias, enquanto deveria estar trabalhando em Entre Rios. De acordo com o promotor de Justiça, o descumprimento da jornada resultou em um prejuízo de R$ 88 mil ao Município de Entre Rios e caracteriza enriquecimento ilícito do médico.

Diante dos fatos e provas apresentados pelo Ministério Público, o Juízo da 2ª Vara da Comarca de Xaxim concedeu a liminar para bloquear os bens do médico até o limite do enriquecimento ilícito – R$ 88 mil. Da mesma forma, em relação ao ex-secretário de Saúde e ao ex-vice-prefeito, foi determinado o bloqueio de R$ 39,6 mil, valor acrescido pelo aditivo irregular.

A decisão é passível de recurso. (ACP n. 0900073-59.2017.8.24.0081).

Publicidade