Lideranças decidem que SC-407 será fechada na próxima sexta-feira

Publicidade

Lideranças empresariais e comunitárias decidiram, em uma reunião nesta terça-feira à noite, na sede da Associação Empresarial e Cultural de Biguaçu (Acibig), que a SC-407 será bloqueada na sexta-feira (11) de manhã, em forma de protesto contra a inércia do Governo do Estado  – que silenciou ante aos pedidos de ‘socorro’ da sociedade devido à buraqueira da rodovia.

A pista será interditada no trevo com a rua Major Livramento, a partir das 8h30. Caminhões, automóveis e motocicletas serão impedidos de passar, exceto ambulâncias e viaturas policiais. A Polícia Militar Rodoviária (PMR) e o 24º Batalhão da Polícia Militar serão informados por meio de um ofício. O presidente do Departamento Estadual de Infraestrutura (Deinfra), Wanderley Agostini, e o governador Raimundo Colombo (PSD) também serão notificados.

Continua após a publicidade

A presidente da Acibig, Sandra Molinaro, disse, ao Biguá News, que o objetivo é denunciar o descaso do Governo do Estado com uma das rodovias mais importantes de Santa Catarina. “A SC-407 chegou ao seu limite, com milhares de buracos e crateras, ofertando perigo constante para quem trafega por ela. Como o presidente do Deinfra disse que iria enviar uma operação tapa-buracos, mas nada fez, nós vamos iniciar um manifesto de cobrança pelas melhorias”.

A rodovia estadual que liga Biguaçu a Antônio Carlos possui 14 km de uma estrada sinuosa, com tráfego de veículos pesados, pois escoa a produção da maior fábrica de refrigerantes no Estado. Também o fluxo da produção de hortaliças provenientes do interior de Antônio Carlos, de gramas ornamentais cultivadas no Alto Biguaçu e da distribuidora da Petrobrás na região.

O representante comercial Ivar Luiz dos Santos, que é ministro da eucaristia na igreja católica, também participará do ato, inclusive mobilizando moradores das comunidades atendidas pela SC. “Infelizmente nos resta protestar, pois o estado da SC-407 é calamitoso. Vidas são colocadas diariamente em uma ‘roleta russa’ nessa estrada. Tenho duas filhas que estudam em Antônio Carlos e quando elas saem de casa meu coração fica na boca, agoniado, pois o perigo é constante”.

Na avaliação de Ivar, falta vontade política do Governo do Estado para determinar um recapeamento da pista e até a reformulação completa da rodovia. A 407 corta uma região que tem o maior PIB da Grande Florianópolis. “Tem projeto pronto desde o ano de 2011. Falta apenas assinar e liberar os recursos. Mas para isso é preciso ter vergonha na cara”, disse o líder comunitário.

 

Publicidade