Lula sai de sindicato a pé e se entrega à Polícia Federal

Publicidade

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva se entregou à Polícia Federal (PF) por volta das 18h45 deste sábado (7), em São Bernardo do Campo (SP).Lula conseguiu deixar o sindicato apenas por volta de 19h, após sair do sindicato a pé para entrar nas viaturas. Ainda não há previsão de horário de chegada à capital paranaens.

Ele começa a cumprir a pena de 12 anos e um mês de prisão à qual foi condenado no âmbito da Operação Lava Jato ainda hoje.

Continua após a publicidade

Lula foi condenado no caso triplex do Guarujá (SP), pelo juiz federal Sérgio Moro, em primeira instância, em julho do ano passado. Na época, o juiz determinou que ele ficasse detido por nove anos e seis meses. Em fevereiro, após julgamento de recurso em segunda instância, no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), em Porto Alegre, a pena foi confirmada e aumentada para 12 anos e um mês.

Após a decisão do TRF4, a defesa do ex-presidente entrou com habeas corpus no Supremo Tribunal Federal (STF), que foi julgado e rejeitado nesta semana. Na quinta-feira (5), a 13ª Vara da Justiça Federal, em Curitiba, recebeu o ofício autorizando a prisão e o juiz Sérgio Moro, no mesmo dia, determinou que o ex-presidente se entregasse na sede da Polícia Federal (PF), na capital paranaense, até 17h de sexta-feira (6) – o que não aconteceu.

Lula permaneceu no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo (SP), cercado pela militância petista, até este sábado (7). Pela manhã, em discurso durante a missa em homenagem à ex-primeira-dama Marisa Letícia, Lula confirmou que se entregaria.

A primeira tentativa de deixar o sindicato aconteceu por volta das 17h de sábado. Lula chegou a entrar no carro, mas precisou voltar porque os manifestantes impediam a saída do veículo. Por volta de 18h, a PF deu meia hora para que os manifestantes deixassem o ex-presidente partir. Líderes dos movimentos sociais e a presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, chegaram a subir no carro de som para falar com os militantes.

Publicidade