Mais de 5 mil pessoas estão desaparecidas em Santa Catarina

Publicidade

Dados oficiais registram aproximadamente 5,5 mil pessoas desaparecidas no Estado, segundo informações do delegado Wanderley Redondo, titular da Delegacia de Polícia de Pessoas Desaparecidas. Ele palestrou sobre o “Processo de Identificação dos Moradores”, em seminário sobre o tráfico de pessoas, realizado na Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc), na última semana.

Em sua palestra, o delegado ressaltou a necessidade de articulação entre poder público e entidades civis organizadas em ações para reduzir os casos de desaparecimentos no Brasil e em Santa Catarina. Na ocasião, Wanderley informou que mais de 200 mil pessoas somem anualmente no país, sendo que do total, 40 mil são crianças e adolescentes.

Continua após a publicidade

“Com esse programa que visa durante a identificação dos moradores de rua identificá-los através de documento ou coleta de DNA queremos diminuir os casos de desaparecidos, uma vez que a identificação será inserida no sistema. Essa catalogação vai contribuir para localização de pessoas”, comentou.

Ao discorrer sobre os exemplos e as sugestões apresentadas no decorrer do dia, a coordenadora do seminário, Argiró Colombi, ressaltou que ao disseminar as ações que estão acontecendo no país em relação a pessoas desaparecidas e trágico de pessoas é possível articular para que haja uma maneira melhor de divulgar e encontrar os desaparecidos e traficados.

Segundo a gestora, o teor da carta que será elaborada juntamente com os participantes, com encaminhamentos que fortaleçam a causa, servirá para que as coisas possam acontecer com efetividade e não com ações tão fragmentadas. “O que observamos aqui foi que as ações não estão integradas. Precisamos avançar, e para isso contamos com a sociedade e o nosso maior parceiro, o Poder Executivo”, mencionou.

Publicidade