Polícia Federal investigará fraude de R$ 33 milhões que envolve Douglas Borba

Publicidade

A Polícia Federal passará a investigar a compra fraudulenta de 200 respiradores feita pelo Governo de Santa Catarina, e que teve pagamento adiantado de R$ 33 milhões sem nenhuma garantia de fornecimento dos aparelhos – como, de fato, não foram entregues pela Veigamed. O caso envolve o governador Carlos Moisés (PSL), seu ex-chefe da Casa Civil Douglas Borba, o ex-secretário de Saúde Helton Zeferino e outros denunciados pelo Ministério Público.

Moisés e o ex-chefe da Casa Civil Douglas Borba, ambos do PSL

A decisão de colocar a PF na cola dos investigados partiu do ministro Benedito Gonçalves, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), atendendo a um pedido do Ministério Público Federal (MPF). Ele determinou a instauração de inquérito “em face do governador Carlos Moisés e demais agentes públicos”. 

Continua após a publicidade

Leia também:

CPI aponta a participação de Douglas Borba na compra dos respiradores

Justiça concede liberdade a Douglas Borba com uso de tornozeleira

Notícias no WhatsApp? Clique aqui: https://chat.whatsapp.com/LcIjuTus86K53EQX4uT80w

Proibido de deixar o país

Além de determinar a apuração pela PF, o ministro do STJ expediu ordem para que os investigados Douglas Borba, Leandro Adriano de Barros, Fábio Deambrósio Guasti, Davi Perini Vermelho, César Augustus Martinez Thomaz Braga e Pedro Nascimento Araújo entreguem seus passaportes à PF e os proibiu de deixarem o país.

Publicidade