Protesto de artistas contra Temer reúne 100 mil pessoas em SP

Publicidade

Artistas e entidades de movimentos sociais participaram de ato neste domingo (4), no Largo da Batata, Zona Oeste de São Paulo, com pedido de saída de Michel Temer (PMDB) da Presidência da República e de realização de eleições diretas.

Protesto contra Temer e por eleições diretas no Largo da Batata (Foto: Dario Oliveira/Estadão Conteúdo)

O evento “SP pelas Diretas Já”, de caráter festivo, teve na programação shows de nomes como Criolo, Pitty, Otto, Maria Gadú, Chico César, Tulipa Ruiz, Emicida, Otto, Mano Brown e Simoninha. Também estiveram na programação blocos de carnaval da capital paulista.
Até a última atualização desta reportagem, a organização havia calculado 100 mil pessoas no local. A Polícia Militar não divulgou estimativa.

Continua após a publicidade

O evento começou pouco antes das 12h com o show de Chico César. O cantor agradeceu a participação dos manifestantes e, além de reclamar do governo federal, fez críticas ao Secretário de Cultura da cidade de São Paulo, Andre Sturm. Na última semana, a voz de Sturm foi gravada em reunião em seu gabinete na qual ele ameaçou bater em agente cultural.

A previsão era que os shows deste domingo no Largo da Batata seguissem até 17h, mas foram encerrados pouco depois das 18h30, com a apresentação de Mano Brown.

Em entrevista ao Fantástico, o cantor Otto explicou por que decidiu participar do ato: “Não existe um nível pior de corrupção, de indecência. A gente se sente indignado e chamamos o nosso público e o público nos chama. Essa é a troca”.

“É o jeito que a gente pode colaborar. Às vezes com demandas muito maiores do que a gente mesmo como artista. Somos cidadãos como qualquer outros”, corroborou o músico Edgard Scandurra.

Já Simoninha disse que cantou pela “dignidade e pelas pessoas que estão cansadas desse Brasil que a gente sente vergonha e não quer mais”.

Também participaram da manifestação os movimentos Frente Brasil Popular, Povo Sem Medo, Central Única dos Trabalhadores, Central de Movimentos Populares, União Nacional dos Estudantes e o Levante Popular da Juventude. Bandeiras dos movimentos e com pedidos de “Diretas Já” estavam espalhadas por todo o Largo da Batata.

Publicidade