Raimundo Colombo renunciará ao cargo de governador nesta quinta-feira

Publicidade

O governador licenciado Raimundo Colombo (PSD) entregará a carta de renúncia,  nesta quinta-feira (5), às 13h30, ao presidente da Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc), deputado Aldo Schneider. Ele deixará o cargo definitivamente para se descompatibilizar visando as eleições de outubro de 2018, quando concorrerá ao cargo de senador da República. A legislação prevê que detentores de mandatos no Poder Executivo que pretendam disputar vaga em qualquer uma das esferas do Poder Legislativo devem renunciar seis meses antes da eleição – o prazo limite este ano é dia 7 de abril.

Ao fazer uma avaliação do mandato, Colombo diz que foram sete anos de grandes conquistas para os catarinenses, algumas frustrações, mas com a preocupação de governar para as pessoas. “Não adianta um governo ir bem se a população vai mal”, afirmou, ao destacar que essa foi a filosofia de trabalho que pautou o dia a dia da equipe que fez Santa Catarina ser o último estado a sofrer os efeitos da crise econômica, em 2015, e o primeiro a sair.

Continua após a publicidade

Raimundo Colombo ressalta que uma das decisões mais importantes que tomou foi a de não aumentar impostos, mesmo diante de períodos de arrecadação em baixa. Santa Catarina foi o estado que mais gerou empregos em 2017, com um saldo de 29.441 vagas, passando até São Paulo, que ficou em segundo lugar. A economia catarinense cresceu 4,3% no ano passado enquanto a média do Brasil foi de 1%.

O governador licenciado enumera outras ações que fizeram diferença nas contas do governo como a reforma da previdência estadual e a renegociação da dívida do Estado com a União. Na previdência, ressalta Colombo, também foi criado o SCPrev – Previdência Complementar, que permite limitar a aposentadoria dos novos servidores ao teto do INSS e o SC Saúde para o funcionalismo, que nasceu questionado em 2011, mas hoje é um grande sucesso.

Colombo destaca, ainda, o reforço dos efetivos nas policiais civil e militar, dos bombeiros e no Instituto Geral de Perícias. Mais de 9 mil policiais reforçaram a segurança pública ao longo do governo. Na PM, equivale a 50% do efetivo.

Outros destaques foram as obras de revitalização e de pavimentação de rodovias em todas as regiões do Estado, além das melhorias na infraestrutura de 800 escolas estaduais e a entrega de 32 novos colégios, as ampliações dos hospitais de Lages, Joinville, Chapecó, Itajaí, Joaçaba e Xanxerê, entre outros.

Publicidade