Tecnologia usada pela PM de Santa Catarina será ampliada para todo o país

Publicidade

Santa Catarina recebeu equipamentos eletrônicos para intensificar as investigações no Estado, principalmente na área de fronteira. A entrega foi feita pelo ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, ao governador Raimundo Colombo, na Diretoria Estadual de Investigações Criminais (Deic), em Florianópolis, no sábado (25). Após ser apresentado ao projeto PMSC Mobile, aplicativo desenvolvido pela Polícia Militar, o ministro anunciou uma nova parceria com SC, na qual o governo federal vai comprar os equipamentos de tecnologia para os policiais catarinenses e, em troca, o Estado fornecerá o sistema para o país.

Ministro da Justiça e Governador de SC assinando termo de parceria. (Fotos: Julio Cavalheiro/Secom)

 

Continua após a publicidade

O PMSC Mobile busca aperfeiçoar o policiamento motorizado em viaturas equipadas com o kit de tecnologia móvel e embarcada. Cada unidade é composta por um tablet e uma impressora térmica portátil, adaptados ao veículo. Desde o dia 2 de março, o projeto piloto sendo desenvolvido em Balneário Camboriú.

Conforme o ministro, o governo federal tem todas as condições de utilizar o sistema de Santa Catarina e levá-lo para o Brasil acoplado ao que é desenvolvido atualmente, pois se o ministério fosse desenvolver esse trabalho, o custo seria muito maior.

“Queremos rapidamente implementar em todo o Estado e transformar SC em uma vitrine, de tal forma que os demais estados brasileiros que queiram aderir possam integrar-se facilmente ao sistema de segurança pública. Ao conseguirmos isso, estaremos fazendo um dos maiores avanços na área, porque permitir segurança de dados, atividades que facilitem o diálogo e interação entre policiais é de fundamental importância. Santa Catarina é uma referência para o país e precisamos copiar ideias que deram certo”, informou o ministro.

“Nosso Estado está avançando muito. A tecnologia empregada no aplicativo, entre outros benefícios, otimiza tempo, capital humano e adianta a disponibilidade da informação para análise criminal. Além de facilitar e agilizar a lavratura de boletins e o registro de ocorrências, traz eficácia na prestação de serviço à comunidade”, disse o governador.

Equipamentos entregues em SC

Os recursos aplicados na compra dos equipamentos para intensificar as investigações chegam a R$ 2,1 milhões por meio de convênio com a Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp), no programa da Estratégia Nacional de Fronteiras (Enafron). Essa é a primeira parcela. Ao todo, serão investidos R$ 13 milhões em aparelhos.

Os equipamentos são para ampliação e modernização da plataforma tecnológica de interceptação de sinais denominada “Guardião”. Com a nova configuração gerada pela ampliação dos equipamentos, será disponibilizado um serviço maior e mais eficiente de canais para uso exclusivo da inteligência e da polícia civil das unidades de fronteiras de Santa Catarina. O equipamentos ficarão na sede da Deic, em Florianópolis, mas atenderão todo o Estado.

“É uma grande conquista para Santa Catarina receber esses equipamentos de inteligência para aperfeiçoar e ampliar ainda mais as investigações da Polícia Civil”, destacou o governador.

“Os equipamentos ajudarão a combater todas as organizações que trazem violência e criminalidade ao Estado e ao país”, explicou o ministro.

O delegado de polícia e subdiretor da Deic, Adriano Krul Bini, informou que a delegacia trabalha em todo Estado, principalmente nas questões da macro criminalidade e organizações criminosas. Trabalham ainda no suporte no apoio operacional e de inteligência para as 30 delegacias regionais catarinenses por meio das divisões de investigações criminais e dos núcleos de inteligência.

“Os equipamentos recebidos fortalecem a nossa área de atuação e darão suporte para que possamos atender toda polícia civil no nosso estado. Com isso, haverá uma repressão mais qualificada nas investigações”, salientou o delegado.

A região da faixa de fronteira em Santa Catarina abrange 85 municípios catarinenses distantes até 150 quilômetros da linha divisória com a Argentina. Na área de 21.002 quilômetros quadrados vivem 828.368 habitantes, o que corresponde a 13,26% da população total de Santa Catarina.

Acompanharam o ato a secretária Nacional de Segurança Pública, Regina Miki, o secretário-adjunto da Segurança Pública, delegado Aldo Pinheiro D’Ávila; comandante-geral da Polícia Militar, coronel  PM Paulo Henrique Hemm; delegado-geral adjunto da Polícia Civil, Marcos Ghizoni, entre outros.

Colombo e o ministro visitaram ainda as obras de construção da nova sede da Segurança Pública, na Capital, que vai abrigar todas as instituições vinculadas ao sistema. O prédio está sendo construído na Avenida Ivo Silveira, no bairro Capoeiras, em uma área total de 29 mil m².  A obra está orçada em R$ 80 milhões, sendo R$ 65 milhões com recursos do Pacto por Santa Catarina e R$ 15 milhões com verba própria da SSP.

Três torres formarão o Complexo de Segurança Pública, que abrigará os comandos da Polícia Militar, Polícia Civil, Corpo de Bombeiros Militar, Instituto Geral de Perícias (IGP) e Detran.

Atualmente, a administração da Segurança Pública está espalhada por 19 pontos na Capital, o que compromete a integração das ações, a comunicação entre as instituições e o atendimento à comunidade.

Saiba mais sobre o PMSC Mobile

O projeto PMSC Mobile é uma parceria com a Secretaria de Segurança Pública e a Companhia de Informática e Automação do Estado de Santa Catarina – Ciasc . A solução é composta por um tablet com um aplicativo específico e uma impressora térmica portátil, que serão utilizadas no policiamento motorizado em viaturas equipadas com o kit de tecnologia móvel. Nas demais modalidades, como por exemplo, o policiamento a pé, montado ou bike, policiais militares farão uso de um smarthphone e da mesma impressora portátil disponibilizada nas viaturas.

O programa conta com diversas ferramentas que auxiliam no atendimento da Polícia Militar. Uma delas é a visão espacial, que permite o gerenciamento de ocorrências, indicando onde estão posicionadas as viaturas e ocorrências em andamento.

Outra é o chat, que propicia a comunicação entre policiais militares através do WhatsApp. A verificação de placas e as providências de trânsito, que antes levavam cerca de quatro a cinco minutos para serem adotadas, hoje podem ser feitas em menos de um minuto, melhorando assim a produtividade e garantindo a pronta resposta que a comunidade necessita.

Publicidade