Prefeito ‘farofóbico’; Tuta e o 2º Turno; Marconi e o edital

Publicidade
*Alexandre Alves
*Alexandre Alves

Coluna Entrelinhas

Tuta e o 2º Turno

Continua após a publicidade

Tuta perdeu, na primeira semana de novembro, quatro ações judiciais que ele propôs na Justiça Eleitoral tentando cassar o registro de candidatura de Ramon Wollinger – e por consequência tomar-lhe o mandato conferido nas urnas.

Uma ação judicial é o caso do áudio do WahtsApp, “turbinado” com vários vídeos do dia da eleição. Outro foi o caso da distribuição de uniformes escolares. Um terceiro sobre suposto abuso de poder econômico por meio de propaganda do Hospital Regional. O quarto processo perdido por Tuta foi sobre um convite de reunião feito pela então secretária de Educação, Márcia Rodrigues de Azevedo.

O juiz da 2ª Zona Eleitoral,  Welton Rübenich, negou todos os pedidos de Tuta. O motivo: as supostas provas apresentadas eram muito frágeis. Em um dos processos, o candidato derrotado na eleição de 2 de outubro apresentou como testemunhas um assessor parlamentar do candidato a vice-prefeito, André Clementino, e uma filha de um candidato a vereador de sua coligação. Logicamente que o magistrado afastou tais depoimentos, pois os depoentes tinham envolvimento direto com a causa do demandante.

Tuta quer melar a eleição de todo jeito. E para isso apresentou várias ações sem fundamentos sólidos, com provas frágeis, e testemunhas que não convencem o Ministério Público e nem a Justiça Eleitoral. Ele deveria aceitar a derrota. Afinal, a vida segue.

Juliano e a farofa na praia
Juliano e a farofa na praia (Foto: Reprodução)

“Prefeito farofóbico”

O prefeito de Governador Celso Ramos, Juliano Duarte, acabou desagradando geral nas redes sociais na última semana, ao tentar contrapor quem não aceita o pedágio para frequentar as praias do município. Ele escreveu em um comentário que “não precisa de farofeiros”. Isso pegou muito mal e alguns já colocaram nele o apelido de “prefeito farofóbico” – que seria uma espécie de xenofobia a pobre na praia.

E a maneira como foi posta a crítica dele acabou mobilizando os “farofeiros” de toda a Grande Florianópolis. Na noite desta segunda-feira, houve protesto em frente à Câmara de Vereadores daquele município – onde o texto está sendo analisado.

E um evento que foi programado pela internet, denominado “Farofaço em Governador Celso Ramos”, promete lotar a praia de Palmas, no dia 27 de novembro, com milhares de praieiros com caixas de isopor e sacolas com lanches e farofas. Isso ainda vai dar o que falar.

Marconi e o edital de secretário

O vereador Marconi Kirch (DEM) quer alterar o edital para eleição do secretário de Educação de Biguaçu. Ele disse, na tribuna da Câmara, na sessão desta segunda-feira (7), que não é justo que apenas servidores efetivos do município concorram à vaga. O vereador quer abrir para qualquer um se candidatar, desde que atenda aos outros requisitos do edital.

Uma sugestão com essa alteração será enviada ao prefeito Ramon Wollinger. A data para inscrição dos interessados é dia 16 de novembro.

 

*Alexandre Alves é jornalista, editor da Coluna Entrelinhas e do Biguá News

 

Publicidade