Vasco vence o Santos e complica catarinenses

Publicidade

O Vasco venceu os reservas do Santos por 1 a 0, com um gol de Nenê, neste domingo à tarde, no estádio de São Januário, e colocou mais ‘pressão’ no Avaí e Figueirense, para a última rodada do Campeonato Brasileiro – que definirá todos os times rebaixados para a Série ‘B’ de 2016.

O clube carioca foi a 40 pontos, mesma pontuação do Figueirense, mas perde nos critérios de desempate. Os dois são o 18º e 17º colocados, respectivamente. À frente deles está o Avai, fora da zona do descenso, com 41 tentos. O Coritiba tem 43 e ainda corre riscos de cair. Correndo por fora para se salvar ainda tem o Goiás, na 19ª colocação, com 38.

Continua após a publicidade
Foto: Gazeta Press
Foto: Gazeta Press

O jogo

Aos cinco minutos, Daniel Guedes cruzou boa bola na área e Nislon ganhou de Rodrigo, testando no canto de Martín Silva. O uruguaio saltou e foi buscar a bola no canto direito, praticando uma bela defesa. Pouco depois, foi a vez do Vasco ter uma grande chance para chamar de sua. Após escanteio cobrado na área e três toques de cabeça, a bola ficou limpa para Jorge Henrique. No bico da pequena área, ele bateu de esquerda e mandou forte, cruzado. A bola, porém, passou à direita do gol de Vanderlei, para desespero dos vascaínos.

Depois do início equilibrado, os anfitriões conseguiram tomar controle da partida, apostando no embalo da torcida e na falta de entrosamento dos reservas santistas. Comandados por Nenê e Andrezinho, que trabalharam a bola com qualidade no meio-campo, os cariocas criaram chances tanto em chutes de média distância quanto em escapadas de velocidade. Na melhor delas, Riascos recebeu na frente de Vanderlei e tentou encobrir o goleiro, mas a bola saiu lentamente pela linha de fundo.

O volume de jogo, no entanto, indicava que o Vasco não tardaria em conseguir o gol inaugural. E ele veio com um pênalti, já quase no encerramento da etapa. Após bola erguida na área, Nenê conseguiu dominar livre, na lateral da pequena área. Vanderlei deu um carrinho alto para tentar abafar o lance e o meia deu um toque tirando do goleiro. Na sequência, o vascaíno pulou e não foi atingido, mas o árbitro Leandro Vuaden marcou pênalti pela violência da entrada do arqueiro.

Com categoria, o próprio Nenê deslocou o goleiro e mandou no canto direito, explodindo o estádio, àquela altura aflito pela vitória do Coritiba sobre o Palmeiras, que rebaixava o clube mesmo com um empate ante o Peixe. Festa que se estendeu durante todo o intervalo, em clima contagiante.

Toda a empolgação demonstrada, no entanto, não conseguiu ser repetida na etapa final. Mostrando certo cansaço e nervosismo, os jogadores do time da casa recuaram e não conseguiram mais ficar com a bola. Melhor com a entrada do bom Vitor Bueno, o Peixe passou a levar perigo em descidas pela esquerda e, aos 20 minutos, chegou a levar bastante perigo com Leandro, outro que saiu do banco.

Praticamente aceitando que não teria condições de manter o ritmo adotado no primeiro tempo, os anfitriões se dedicaram apenas a gastar o tempo. Cada tiro de meta, lateral ou escanteio demorava a ser batido, principalmente os que estavam a cargo do experiente Nenê.

Auxiliados pela segurança do goleiro Martin Silva, os donos da casa foram bastante efetivos na proposta de jogo, conseguindo afastar todos os lances de perigo do time da Baixada. Dessa forma, restou à torcida apenas contar os minutos até o fim do jogo e celebrar a sobrevida na competição.

*Com informações da Gazeta Esportiva

Publicidade