Biguaçu tem três casos de dengue confirmados em 2015

Publicidade

A Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Dive) informa que de 1º de janeiro a 12 de junho de 2015 foram notificados 8.642 casos de dengue em Santa Catarina. No município de Biguaçu foram três registros, sendo um caso onde o local de infecção (cidade onde a pessoa foi picada pelo mosquito) é do próprio município e outros dois “importados” de outras cidades – ou seja, moradores de Biguaçu contrariam a dengue em cidades vizinhas.

Dos mais de 8,6 mil casos no Estado, 3.048 (35%) foram confirmados (2.210 por critério laboratorial e 838 por clínico-epidemiológico), 4.455 (52%) foram descartados e 1.139 (13%) casos suspeitos estão em investigação. Do total de casos confirmados, 2.791 (92%) são autóctones (transmissão dentro do Estado), 179 (6%) são importados (transmissão fora do Estado) e 78 (3%) estão em investigação para definição do local provável de transmissão. (Tabela 1)

Continua após a publicidade

Tabela 1: Casos de dengue, segundo classificação, Santa Catarina, 2015.

Classificação Casos %
Confirmados 3.048 35
Autóctones 2.791 92
Importados 179 6
Em investigação 78 3
Descartados 4.455 52
Suspeitos 1.139 13
Total Notificados 8.642 100

Fonte: Sinan Online (com informações até o dia 12/06/2015).

Os 2.791 casos autóctones de dengue confirmados até o momento tiveram como local provável de transmissão (LPI) os municípios de Itajaí (2.729), Chapecó (31), Itapema (20), Joinville (8), Bombinhas (1), São Miguel do Oeste (1) e Tubarão (1) (Tabela 2).

Tabela 2: Casos confirmados de dengue segundo município de residência e classificação de Local Provável de Infecção (LPI), Santa Catarina, 2015.

Municípios de Residência SC Casos Confirmados de dengue segundo município e local provável de infecção, SC, 2015.
Nº de casos em Investigação de LPI Nº de casos importados Nº de casos autóctones Local Provável de Infecção (LPI)
 Abelardo Luz 0 0 1 1 Itajaí
 Anchieta 0 1 0  
 Araranguá 0 2 0  
 Balneário Camboriú 13 6 11 11 Itajaí
 Balneário Barra do Sul 0 1 0  
 Biguaçu 1 2 0  
 Blumenau 1 6 4 4 Itajaí
 Bombinhas 1 1 1 1 Bombinhas
 Braço do Norte 0 1 0  
 Brusque 1 4 1  1 Itajaí
 Camboriú 7 1 3  3 Itajaí
 Canelinha 0 1 1  1 Itajaí
 Canoinhas 1 0 0  
 Capivari de Baixo 0 1 0  
 Chapecó 2 6 32 30 Chapecó, 2 Itajaí
 Concórdia 2 1 0  
 Criciúma 0 4 0  
 Curitibanos 0 0 2 2 Itajaí
 Florianópolis 4 24 0  
 Garopaba 0 1 0  
 Gaspar 0 1 1 1 Itajaí
 Guabiruba 0 1 0  
 Guaramirim 0 4 0  
 Imbituba 0 1 1 1 Itajaí
 Indaial 3 3 0  
 Itá 0 1 1 1 Itajaí
 Itajaí 12 10 2.683 2.683 Itajaí
 Itapema 0 4 21 1 Itajaí, 20 Itapema
 Itapoá 1 3 0  
 Jaraguá do Sul 0 10 2 2 Itajaí
 Jardinópolis 0 1 0  
 Joaçaba 2 0 0  
 Joinville 1 25 9 1 Itajaí, 8 Joinville
 Lages 0 1 0  
 Laguna 1 0 0  
 Lontras 0 2 0  
 Major Gercino 1 0 0  
 Navegantes 0 1 8 8 Itajaí
 Nova Trento 1 0 0  
 Orleans 0 1 0  
 Otacílio Costa 1 0 0  
 Palhoça 0 5 0  
 Palmeira 0 1 0  
 Penha 5 0 1 1 Itajaí
 Petrolândia 1 0 0  
 Piçarras 1 0 0  
 Pinhalzinho 0 0 1 1 Chapecó
 Pomerode 0 2 0  
 Porto Belo 1 0 0  
 Porto União 0 1 0  
 Praia Grande 0 2 0  
 Presidente Getúlio 0 1 0  
 Rio do Sul 1 2 0  
 Rio Negrinho 0 1 0  
 Rodeio 0 2 0  
 Sangão 1 1 0  
 Santa Cecília 1 0 0  
 São Bento do Sul 0 1 0  
 São Carlos 0 1 0  
 São Francisco do Sul 0 2 1 1 Itajaí
 São João Batista 1 0 0  
 São José 2 13 2 2 Itajaí
 São José do Cedro 2 0 0  
 São Ludgero 1 1 0  
 São Miguel d’Oeste 1 3 1 1 São Miguel do Oeste
 Tijucas 0 1 0  
 Timbó 0 0 1 1 Itajaí
 Três Barras 1 0 0  
 Tubarão 2 4 1 1 Tubarão
 Tunápolis 0 1 0  
 Urussanga 1 0 0  
 Vargem 0 0 1 1 Itajaí
 Xanxerê 0 2 0  
Total 78 179 2791

Fonte: Sinan Online (com informações até o dia 12/06/2015).

O acompanhamento dos casos mostra que entre os dias 15 a 28 de março (semanas epidemiológicas – SE 11 e 12) registrou-se o maior número de casos autóctones confirmados (308 e 286, respectivamente). A partir do dia 12 de abril (SE 15) verifica-se uma diminuição no número de casos notificados, com tendência de redução dos casos confirmados nas semanas seguintes (Figura 1).

Figura 1: Casos de dengue segundo classificação final e SE de início dos sintomas. SC, 2015
Fonte: Sinan Online (com informações até o dia 12/06/2015).

Em Santa Catarina, até o dia 17 de junho, foram identificados 5.190 focos do mosquito Aedes aegypti, transmissor da doença, em 107 municípios. Existem 23 municípios considerados infestados pelo mosquito: Anchieta, Balneário Camboriú, Chapecó, Cordilheira Alta, Coronel Freitas, Coronel Martins, Guaraciaba, Guarujá do Sul, Guatambu, Itajaí, Itapema, Joinville, Nova Itaberaba, Palmitos, Passo de Torres, Pinhalzinho, Planalto Alegre, Princesa, São Miguel do Oeste, Serra Alta, União do Oeste, Xanxerê e Xaxim. A definição de infestação é realizada de acordo com a disseminação e manutenção dos focos.

Dengue

É uma doença infecciosa febril causada por um arbovírus. É transmitida pela picada da fêmea do mosquito Aedes aegypti infectado. Os sintomas da dengue são: febre, dor de cabeça, dores musculares e nas articulações, dor retro-orbital (atrás dos olhos), e manchas vermelhas na pele.

Pessoas que estiveram nos últimos 14 dias numa cidade com presença do Aedes aegypti ou com transmissão da dengue e apresentar os sintomas citados devem procurar uma unidade de saúde para diagnóstico e tratamento adequado.

Orientações para evitar a proliferação do Aedes aegypti:

  • Evite usar pratos nos vasos de plantas, se usar, coloque areia até a borda;
  • Guarde garrafas com o gargalo virado para baixo;
  • Mantenha lixeiras tampadas;
  • Deixe os depósitos para guardar água sempre vedados, sem nenhuma abertura, principalmente as caixas d’água;
  • Plantas como bromélias devem ser evitadas, pois acumulam água;
  • Trate a água da piscina com cloro e limpe uma vez por semana;
  • Mantenha ralos fechados e desentupidos;
  • Lave com escova os potes de comida e de água dos animais no mínimo uma vez por semana;
  • Retire a água acumulada em lajes;
  • Dê descarga no mínimo uma vez por semana em banheiros pouco usados;
  • Mantenha fechada a tampa do vaso sanitário;
  • Evite acumular entulho, pois podem se tornar locais de foco do mosquito da dengue.
Publicidade