TJSC nega união estável a mulher que namorou homem casado

Publicidade

2ª Câmara Civil do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC) manteve decisão de comarca da serra catarinense que negou provimento ao pleito de uma mulher que, com a morte do ex-companheiro, queria ter reconhecida sua união estável. A apelante alegou que a união entre o casal era livre de qualquer impedimento, pois o falecido já havia se separado da esposa e pretendia constituir uma nova família com a autora.

Nos autos, contudo, ficou claro que o casal, apesar de ter mantido um relacionamento, não possuía vinculo matrimonial, pois o falecido era casado e jamais se separou da esposa. A propósito, o depoimento pessoal da autora deixou claro que ela tinha pleno conhecimento de que o companheiro era casado.

Continua após a publicidade

Para o o desembargador João Batista Góes Ulysséa, relator da matéria, os indícios apontam que a autora e o demandado viveram uma relação paralela ao casamento, o que impede o reconhecimento da união estável.

“Comprovada que a relação entre as partes foi restrita a namoro, com o falecido em posição de casado, além de não demonstrado sinais com o intuito de constituição de família com a autora, inviável a configuração da união estável” concluiu Ulysséa.

A decisão foi unânime, informa a assessoria do TJSC.

Publicidade